Paris. Pelo menos 20 estrangeiros entre os mortos

Pelo menos 20 cidadãos estrangeiros estão entre os 129 mortos resultantes dos atentados em Paris na passada sexta-feira, 13 de novembro. O número de feridos registados é agora de 352, sendo que 99 se encontram em estado grave, de acordo com fontes oficiais. A agência de notícias AFP cita meios internacionais para detalhar a informação: Entre […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Pelo menos 20 cidadãos estrangeiros estão entre os 129 mortos resultantes dos atentados em Paris na passada sexta-feira, 13 de novembro. O número de feridos registados é agora de 352, sendo que 99 se encontram em estado grave, de acordo com fontes oficiais.

A agência de notícias AFP cita meios internacionais para detalhar a informação:

Entre os mortes encontram-se um português e uma lusodescendente, de acordo com fonte oficial, citada pela agência de notícias Lusa. O primeiro terá morrido nos arredores do Stade de France, a norte da capital francesa, um dos locais que foram alvo dos mortais atentados da noite passada.

O Ministério das Relações Exteriores brasileiro confirmou dois brasileiros entre os feridos nos ataques. Um terceiro brasileiro também ficou ferido, sem gravidade, assinala a AFP.

Um porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros belga anunciou que o governo belga foi informado da morte de dois cidadãos daquele país pelas autoridades francesas, segundo a televisão RRBF, da Bélgica

A AFP acrescenta ao rol, a morte de dois romenos nos atentados, citando informação avançada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros em Bucareste e confirmada pelas autoridades francesas.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros tunisino divulgou que duas irmãs, de 34 e 35 anos, morreram nos ataques. As jovens eram originárias de Menzel Bourguiba, perto de Bizerte, viviam na região do Creusot. Na noite de sexta-feira, as duas comemoravam o aniversário de uma amiga, em Paris, quando ocorreram os atentados, segundo declarações de uma fonte próxima às vítimas citada pela rádio Mosaique FM.

A Universidade de Long Beach, Califórnia, confirmou que uma estudante americana morreu nos atentados. A jovem, de 20 anos, estudante de desenho estava em Paris através de um programa de intercâmbio. Entre os feridos encontram-se vários cidadãos americanos, de acordo com a Embaixada dos EUA em Paris. “Estamos a par de que há feridos americanos e oferecemos a eles toda a assistência consular possível”, disse Mark Toner, porta-voz da diplomacia americana.

A AFP acrescenta que entre os mortos estão três chilenos, mortos no Bataclan, dois argelinos, um marroquino, dois mexicanos e um sueco.

OJE

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Paciência zero para a política Covid zero na China. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

A política de Covid zero começa a fazer mossa na China com o confinamento de centenas de milhões de pessoas a desencadear protestos pouco comuns na presidência de Xi Jinping. Os incidentes diplomáticos no Qatar e a perseguição aos curdos por parte de Erdogan serão também temas em análise por parte do embaixador Francisco Seixas da Costa.

Taxa de inflação anual na zona euro abranda para 10% em novembro

De acordo com a estimativa do Eurostat, a energia é a componente que apresenta a mais alta taxa de inflação homóloga (34,9%, em baixa face a 41,5% de outubro), seguindo-se a alimentação, álcool e tabaco (13,6%, que se compara com 13,1% do mês anterior), os bens industriais não energéticos (que se manteve estável nos 6,1%) e os serviços (4,2%, face a 4,3%).