Parlamento alemão aprova vacinação obrigatória para profissionais da saúde

Os deputados alemães aprovaram esta sexta-feira uma lei que obriga os profissionais de saúde a vacinarem-se contra a Covid-19, um primeiro passo antes do alargamento da vacinação obrigatória à restante população do país, espectável para o início de 2022.

Alemanha | Getty Images

O projeto de lei, que visa proteger grupos particularmente vulneráveis, foi aprovado por ampla maioria no Bundestag (câmara baixa do parlamento alemão), onde os sociais-democratas (SPD), os Verdes e os liberais (FDP), as forças políticas que integram a nova coligação governamental, têm a maioria parlamentar.

O diploma foi aprovado com 571 votos a favor e 80 contra.

Agora, todos aqueles que trabalham em hospitais e lares devem estar vacinados ou estarem curados da doença covid-19.

Esta medida também é aplicável aos funcionários de estabelecimentos de acolhimento de pessoas com deficiência, de ambulatórios, consultórios médicos, serviços de socorro ou centros socioeducativos.

O projeto de lei afirma que os profissionais de saúde têm uma “responsabilidade especial” porque estão “em contacto próximo e intensivo com grupos de pessoas com alto risco de infeção e de doenças graves ou fatais”.

Os funcionários visados pela nova medida terão até 15 de março de 2022 para comprovarem a vacinação completa, caso contrário, não poderão trabalhar.

Vários estabelecimentos da área da saúde, em particular os lares de idosos nos Estados federados da Saxónia-Anhalt e de Brandemburgo, tornaram-se, nas últimas semanas, focos importantes de contágio, com um alto número de mortes entre os utentes.

A cadeia de contágio pelo novo coronavírus é desencadeada, às vezes, por um funcionário não vacinado, o que relançou o debate sobre a vacinação obrigatória para todos.

Os profissionais de saúde estão, em média, mais vacinados (quase 90%) em relação à população em geral (69,3%), de acordo com o Instituto Robert Koch (RKI).

Com esta decisão, a Alemanha junta-se a outros países europeus como França, Itália, Grécia ou Reino Unido, que já introduziram na lei a vacinação obrigatória para os profissionais de saúde.

Atingida por uma nova vaga de casos de covid-19, as autoridades da Alemanha já manifestaram vontade de ir mais longe e impor novas medidas.

O novo chanceler alemão, Olaf Scholz, pretende pedir ao parlamento que vote até ao final do ano a obrigatoriedade de vacinação que, caso aprovada, poderá entrar em vigor em fevereiro ou março.

Numa sondagem hoje publicada, 68% dos alemães são favoráveis à vacinação obrigatória para todos os adultos, um número que está a aumentar.

No entanto, as autoridades alemãs temem que a medida desperte a cólera dos opositores às restrições sanitárias, mobilizados aos milhares desde o início da pandemia de covid-19 no país.

O novo ministro da Saúde alemão, Karl Lauterbach, alertou hoje que multas para quem se recusar a ser vacinado serão “inevitáveis”.

A covid-19 provocou pelo menos 5.286.793 mortes em todo o mundo, entre mais de 267,88 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse (AFP).

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 57 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Recomendadas

Raimundo reafirma PCP como partido dos trabalhadores e de protesto que não está parado no tempo

Paulo Raimundo falava no final de um almoço/comício da campanha “Faz das injustiças força para lutar! – mais salários e pensões, saúde e habitação”, que reuniu cerca de 300 pessoas no Centro Recreativo e Cultural do Boquilobo, no concelho de Torres Novas, no distrito de Santarém.

Extrema-direita espanhola na rua contra fim de crime de sedição que condenou independentistas

O parlamento espanhol aprovou na quinta-feira, numa primeira votação, uma proposta dos partidos no governo em Espanha (socialistas e extrema-esquerda da Unidas Podemos) de revisão do Código Penal que suprime o delito de sedição, que levou à prisão independentistas catalães.

Carlos Moedas serve mais um jantar à direita ibérica na Câmara

Carlos Moedas recebeu os “jotas” do PSD e do PP espanhol para um jantar servido na sala de arquivo da CML. Os custos foram assumidos pela autarquia, apurou o semanário Novo.
Comentários