Parlamento aprova alargamento da Medida de Apoio ao Regresso de Emigrantes às regiões autónomas

A proposta socialista foi aprovada hoje na Comissão de Orçamento e Finanças (COF), no parlamento, no âmbito das votações propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).

Os deputados aprovaram hoje, na especialidade do Orçamento, o alargamento da medida de Apoio ao Regresso de Emigrantes a Portugal, no âmbito do Progresso Regressar às Regiões Autónomas, uma proposta do PS.

A proposta socialista foi aprovada hoje na Comissão de Orçamento e Finanças (COF), no parlamento, no âmbito das votações propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).

Segundo a medida, “em 2023, a Medida de Apoio ao Regresso de Emigrantes a Portugal, no âmbito do Programa Regressar, pode ser adotada pelas Regiões Autónomas”.

O Programa Regressar prevê, entre as medidas, a Medida de Apoio ao Regresso de Emigrantes a Portugal, que consistia um apoio financeiro concedido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional aos emigrantes ou familiares de emigrantes que iniciem atividade laboral em Portugal continental, e apoios complementares para comparticipação das despesas inerentes ao seu regresso e do seu agregado familiar.

Os socialistas justificam que no âmbito do Programa Regressar, “as medidas de benefício fiscal e Linha de crédito foram aplicadas às Regiões Autónomas, mas tal não acontece com a Medida de Mobilidade – MAREP”.

Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.
Comentários