Parlamento aprova audições a Matos Fernandes e Siza Vieira devido a Borba

O BE requereu a audição dos ministros Adjunto e da Economia, e do Ambiente e da Transição Energética, e também da Agência Portuguesa do Ambiente e do Laboratório Nacional de Energia e Geologia, sobre “o colapso da Estrada Nacional 255, junto às pedreiras ‘Olival Grande São Sebastião’ e ‘Carrascal JS’, no concelho de Borba”.

HO/Lusa

O parlamento aprovou esta quarta-feira, por unanimidade, requerimentos do PEV, BE e PCP para audição dos ministros do Ambiente e da Transição Energética, e Adjunto e da Economia, na sequência do colapso da estrada que liga Borba a Vila Viçosa.

Os deputados da comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas votaram hoje, por unanimidade, três requerimentos apresentados pelo Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), Bloco de Esquerda (BE) e Partido Comunista Português (PCP) para audições sobre o colapso da antiga Estrada Nacional (EN) 255, junto a pedreiras no concelho de Borba.

Na sequência da aprovação dos requerimentos, o parlamento vai requerer a audição dos ministros do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, e Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, bem como diversas entidades na área do ambiente e da engenharia.

O requerimento apresentado pelo PEV solicitou a audição do ministro do Ambiente e da Transição Energética, “na sequência da tragédia na antiga EN255, no troço Borba-Vila Viçosa”.

O BE requereu a audição dos ministros Adjunto e da Economia, e do Ambiente e da Transição Energética, e também da Agência Portuguesa do Ambiente e do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), sobre “o colapso da Estrada Nacional 255, junto às pedreiras ‘Olival Grande São Sebastião’ e ‘Carrascal JS’, no concelho de Borba”.

O requerimento do PCP, além do ministro João Pedro Matos Fernandes, propôs a audição da Ordem dos Engenheiros e da Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro, sobre o “deslizamento de um grande volume de terra” na EN255, entre Borba e Vila Viçosa, no distrito de Évora.

O deslizamento de um grande volume de rochas, blocos de mármore e terra, e o colapso de um troço de cerca de 100 metros da estrada 255 para o interior de duas pedreiras contíguas, ocorreram em 19 de novembro, provocando a morte de dois operários e a queda de dois veículos que circulavam na via, de que resultaram três vítimas mortais.

O Ministério Público instaurou um inquérito para apurar as circunstâncias do acidente e o Governo pediu uma inspeção urgente ao licenciamento, exploração, fiscalização e suspensão de operação das pedreiras situadas na zona de Borba.

Relacionadas

Borba: Proteção Civil em operações para retirar da água segunda viatura localizada

A segunda viatura que caiu para dentro de uma pedreira em Borba (Évora), no deslizamento de terra e colapso da estrada 255, está localizada, estando a decorrer os preparativos para a retirar, disse fonte da Proteção Civil.

Proteção Civil considera operação Borba encerrada

“Do ponto de vista da Proteção Civil, consideramos que a operação está encerrada”, disse o presidente da ANPC, Mourato Nunes, numa conferência de imprensa no quartel dos Bombeiros de Borba, esta tarde.

Governo e primeiro-ministro acompanham operações “a par e passo” sobre acidente de Borba

Deslizamento de terras e o colapso de um troço da estrada municipal 255, provocando, pelo menos, quatro mortos e um desaparecido, no dia 19 deste mês.
Recomendadas

Associação Zero dá parecer negativo a mais voos noturnos em Lisboa

No início de agosto foi anunciado pelo Governo a intenção de aprovar uma portaria que permita anular temporariamente a parte da lei que estabelece restrições ao tráfego aéreo noturno entre as 0h e as 6h, que a Navegação Aérea (NAV) quer que seja entre o dia 18 e 29 de novembro, para implementar um novo sistema de controlo.

PS/Madeira acusa Governo Regional de estar “alheado da realidade”

O líder do PS/Madeira acusou este sábado o Governo Regional e os partidos que o compõem o executivo insular (PSD e CDS) de estarem “alheados da realidade” e dos problemas dos madeirenses porque estão “fechados nos gabinetes”.

Aquilo que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, refere Luís Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, afirmou este sábado que o que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, considerando que a vontade do Governo de privatizar a companhia não pode passar incólume.
Comentários