Parlamento aprovou 2.185 diplomas desde 2015

O parlamento aprovou, desde 2015, 2.185 diplomas, entre propostas e projetos de lei, projetos de resolução e votos de todo o tipo, de entre as quase 4.000 iniciativas entradas na Assembleia da República, segundo o ‘site’ hemiciclo.pt.

Cristina Bernardo

A produção legislativa resultou na aprovação e promulgação, pelo Presidente da República, de 233 leis, de acordo com este ‘site’ independente que faz uma análise estatística ao trabalho dos deputados, utilizando informação da própria Assembleia da República.

O Governo fez entrar, desde o início da legislatura, em 2015, 221 diplomas, entre propostas de lei e de resolução, forma utilizada pelo executivo para, por exemplo, formalizar a adesão do país a um tratado internacional.
Das 221 propostas, 170 foram aprovados, aguardando-se a votação de 51.

O PS, partido do Governo, é o partido com mais iniciativas aprovadas (548), mas o BE foi a bancada que mais textos apresentou no parlamento (842).

O PCP está em segundo lugar com o maior número de iniciativas apresentadas (836) e o PSD é o terceiro (769).

Relacionadas

Presidente Marcelo já vetou 11 diplomas desde que chegou ao Palácio de Belém

Esta foi a terceira vez que o chefe de Estado devolveu um diploma sem promulgação ao Governo, tendo já usado o veto político noutras oito situações para chumbar decretos vindos da Assembleia da República.
Recomendadas

BE quer que beneficiários de bolsa de estudo do Ensino Superior recebam um complemento extraordinário

O BE quer que os estudantes que recebem apoios obtenham um complemento extraordinário no valor anual de 50% do valor do indexante dos apoios sociais.

Governo “condena a anexação pela Rússia dos territórios ucranianos”

Para o Governo a anexação dos territórios ucranianos à Rússia “constitui mais uma violação grosseira do Direito Internacional e dos princípios consagrados na Carta das Nações Unidas”.

PremiumPartidos convergem nos apoios às famílias e crescimento económico

Os partidos com assento parlamentar começam a definir as prioridades para o próximo Orçamento do Estado. Num quadro de incerteza, continuidade e necessidade de calibrar medidas é o elemento central do PS. Oposição reclama respostas ao acelerar da inflação.
Comentários