Parlamento chumba pedido de André Ventura para suspensão de mandato

PS, PSD, BE e PCP votaram contra o parecer apresentado pelo deputado centrista João Almeida que previa a substituição de André Ventura durante a campanha eleitoral referente às presidenciais. Votaram a favor desta proposta o CDS, PAN e ainda os deputados socialistas Jorge Lacão e Isabel Oneto.

Mário Cruz/Lusa

André Ventura, líder e deputado único do Chega, viu esta terça-feira recusado o pedido de suspensão de mandato que este parlamentar tinha requerido para se dedicar à campanha das presidenciais, ato eleitoral que terá lugar a 24 de janeiro. Esta decisão foi tomada em sede de comissão parlamentar de Transparência e Estatuto dos Deputados.

PS, PSD, BE e PCP votaram contra o parecer apresentado pelo deputado centrista João Almeida que previa a substituição de André Ventura durante a campanha eleitoral referente às presidenciais. Votaram a favor desta proposta o CDS, PAN e ainda os deputados socialistas Jorge Lacão e Isabel Oneto.

Esta comissão volta a reunir no início de 2021, mais concretamente a 5 de janeiro, para análise de nova proposta, que deverá ser apresentada por um deputado socialista.

“Apesar de reconhecer que a questão não está totalmente prevista no estatuto dos deputados, se o parlamento não me der essa suspensão o Chega fica sem voz na Assembleia da República e sem poder participar em debates importantes em questões como a eutanásia, o Novo Banco ou o Estado de emergência. Isso seria injusto”, disse André Ventura à agência Lusa esta terça-feira, antes de ser conhecida a decisão.

O candidato presidencial apoiado pelo Chega disse esperar que “haja bom senso” na análise da questão, para que o seu lugar na Assembleia da República possa ser ocupado temporariamente por Diogo Pacheco Amorim.

 

Recomendadas

Luís Menezes Leitão formaliza recandidatura a bastonário da Ordem dos Advogados

O atual bastonário da Ordem dos Advogados, Luis Menezes Leitão, anunciou que formalizou esta terça-feira em Lisboa a sua recandidatura ao cargo para o triénio 2023-2025.

Censura do Chega a Santos Silva “padece de inconformidade constitucional e regimental”

A iniciativa do Chega que pretende censurar o comportamento do presidente do parlamento, Augusto Santos Silva, “padece de inconformidade constitucional e regimental”, não tendo condições para ser admitida, defende um parecer elaborado pela deputada única do PAN.
Carlos Moedas

Um ano de Carlos Moedas. Oposição lança críticas à liderança do autarca da Câmara de Lisboa

No geral, PS, PCP e BE fazem uma avaliação negativa da liderança do presidente da Câmara Municipal de Lisboa e todos os partidos falam em retrocessos ou más decisões, especialmente no que toca à habitação.
Comentários