Parlamento elege hoje presidente do Conselho Económico e Social (com áudio)

De acordo com o que está definido na Constituição da República, o presidente do CES é eleito pelos deputados da Assembleia da República por voto secreto, necessitando da aprovação de dois terços dos deputados.

O deputado do PS, Augusto Santos Silva, vota para a eleição do novo presidente da Assembleia da República, que marcará o início da XV Legislatura, na Assembleia da República, Lisboa, 29 de março de 2022. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O presidente do Conselho Económico e Social (CES) vai ser hoje eleito pelos deputados da Assembleia da República, com a recandidatura de Francisco Assis sujeita ao escrutínio, proposta pelo Partido Socialista.

De acordo com o que está definido na Constituição da República, o presidente do CES é eleito pelos deputados da Assembleia da República por voto secreto, necessitando da aprovação de dois terços dos deputados.

No sábado, na abertura do congresso da UGT, em Santarém, Francisco Assis afirmou que contava já com o apoio do Partido Socialista e do PSD, o que lhe garantirá os votos necessários para a reeleição.

Na quarta-feira, numa audição parlamentar, Francisco Assis, que é presidente do CES desde julho de 2020, defendeu a alteração do Plenário do CES e prometeu propor à Assembleia da República a criação de um grupo de trabalho para alterar a respetiva lei.

Para Francisco Assis, o CES “está numa fase de mudança” e precisa até de mudar de instalações, para umas mais adequadas.

Francisco Assis, professor universitário, ligado à ala de centro-esquerda do PS, já foi presidente da Câmara de Amarante, eurodeputado e líder parlamentar socialista em dois períodos distintos.

Recomendadas

Montenegro sucede a Rio na liderança do PSD

Com ainda pouco menos de um terço dos mais de 30 mil votos por apurar, Luís Montenegro está confirmado como o próximo líder social-democrata e o sucessor de Rui Rio na liderança do PSD.

PSD: Montenegro com quase 75% dos votos quando estão apuradas metade das secções

Quando estavam apuradas 158 das 317 secções, Luís Montenegro tinha 74,11% e Jorge Moreira da Silva apenas 25,89% dos votos, de acordo com o ‘site’ que disponibiliza os resultados das eleições diretas do PSD em tempo real.

Isabel Camarinha já vê efeitos da maioria absoluta do PS na falta de diálogo do Governo

A secretária-geral da central sindical considera que “o Governo e esta maioria absoluta do Partido Socialista têm que ouvir os trabalhadores”, pelo que uma greve geral em conjunto com a UGT não pode ficar excluída. Ainda assim, sempre dependendo “da evolução da situação e das respostas que sejam dadas”.
Comentários