Parlamento Europeu quer elevar para 45% o consumo de energias renováveis em 2030

O Parlamento Europeu (PE) votou hoje a favor de subir para 45% o consumo final bruto de energias renováveis na União Europeia em 2030, face aos atuais objetivos de 32% e em linha com a Comissão Europeia.

Os valores hoje aprovados pelos deputados estão acima dos 40% propostos pelos países da União Europeia (UE).

Em 2018, a Comissão propôs a revisão da diretiva e a fixação da nova meta em 40%, mas na sequência da invasão russa da Ucrânia (que começou em 24 de fevereiro), o executivo da UE reforçou o seu compromisso de investimento em energias renováveis e sugeriu o aumento deste valor para 45%.

O Conselho, a instituição que representa os países da UE, fixou a sua posição negocial em junho passado em 40 %.

As três instituições terão agora de negociar a legislação final, que deverá estar concluída no início de 2023.

Com 418 votos a favor, 109 contra e 111 abstenções, os deputados europeus apoiaram a posição negocial de 45% com o Conselho e a Comissão sobre a revisão da Diretiva das Energias Renováveis, que faz parte do abrangente pacote legislativo “Fit for 55” para reduzir as emissões de CO2 em 55% até 2030, em comparação com os níveis de 1990.

O consumo final de energia renovável na UE foi de 9,6% em 2004 e de 22,1% em 2020.

“As energias renováveis são uma parte fundamental da solução para a escalada dos preços”, disse o deputado socialista e negociador da diretiva Nicolás González Casares, que apelou à redução não só da dependência dos produtos energéticos russos, mas também das importações de outros países.

Também como parte do pacote para reduzir as emissões de CO2 em 55% até 2030, os deputados do Parlamento Europeu também hoje defenderam (469 votos a favor, 93 contra e 82 abstenções) uma atualização da Diretiva de Eficiência Energética até 2030 para reduzir o consumo final de energia da UE em 40% até 2030 e o consumo primário em 41,5%, em comparação com os níveis de 2007.

O consumo final é o consumo utilizado pelos utilizadores finais, enquanto o consumo primário inclui também a energia utilizada para a produção e fornecimento de energia.

O Conselho, que representa os Estados-membros, concordou em reduzir o consumo final de energia em 36% e o consumo de energia primária em 39%.

Uma redução de 40% poderia levar a uma redução de 740 milhões de toneladas de equivalente de petróleo (Mtep) no consumo final de energia e 960 Mtep no consumo de energia primária, de acordo com os cálculos do Parlamento.

Para atingir estas novas metas de eficiência energética, os Estados-Membros terão de estabelecer objetivos nacionais vinculativos e conceber medidas a nível local, regional, nacional e europeu em diferentes setores, tais como administração pública, edifícios, empresas e centros de dados.

Recomendadas

Energia. Novas ligações para hidrogénio elegíveis para fundos europeus, anuncia Von der Leyen

A presidente da Comissão Europeia disse hoje que as novas ligações para transporte de hidrogénio verde acordadas entre Portugal, Espanha e França são elegíveis para financiamento europeu.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Blackrock com mais de 3% da EDP Renováveis

Segundo o comunicado da CMVM, a BlackRock, em resultado de transações executadas a 5 de dezembro de 2022, ultrapassou o patamar mínimo de 3% para posições acionistas qualificadas.
Comentários