Participação do Banco de Portugal no capital do BCE diminui

Assim, a partir de janeiro de 2019, Portugal passa a ter uma participação de 1,6367% no capital do BCE, face aos 1,7434% que possui até 31 de dezembro deste ano. Ou seja, em valor absoluto, a participação do Banco de Portugal valerá 177.172.890,71 euros.

O Banco Central Europeu (BCE) publicou hoje uma nova chave de capital, onde se reduz a participação do Banco de Portugal, segundo um comunicado publicado no ‘site’ da instituição.

Assim, a partir de janeiro de 2019, Portugal passa a ter uma participação de 1,6367% no capital do BCE, face aos 1,7434% que possui até 31 de dezembro deste ano. Ou seja, em valor absoluto, a participação do Banco de Portugal valerá 177.172.890,71 euros.

Com estas alterações, 12 bancos centrais nacionais baixam a sua participação no BCE e 16 sobem, sendo sobretudo os países do sul da Europa os mais penalizados. França e Alemanha ganham peso.

Esta chave de capital é usada nos cálculos dos programas de compra de dívida, nos quais Portugal tem participado.

A instituição europeia justifica esta nova chave com alterações demográficas de cada país e com o PIB da União Europeia (UE).

O BCE explica que a posição de cada banco central é calculada segundo “a população total de cada Estado-membro e o Produto Interno Bruto da UE, em medidas iguais”.

Estes cálculos são efetuados tendo por bases dados fornecidos pela Comissão Europeia, sendo que os bancos centrais terão agora que transferir o capital entre si “para assegurar que a distribuição de ações corresponde à chave ajustada”, salienta o BCE.

O total de capital subscrito mantém-se igual, segundo a instituição, com 10.825.007.069,61 euros, sendo que esta decisão será agora publicada no Jornal Oficial da União Europeia.

O sistema de votações rotativo do BCE, com recurso aos governadores dos bancos centrais de cada país, irá manter-se igual.

Estas alterações ocorrem a cada cinco anos.

Recomendadas

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.

Morgan Stanley avança com corte de 1.600 empregos

A redução de quadros, dada em primeira-mão pela “CNBC”, afetou cerca de 1.600 dos 81.567 empregados da instituição financeira e tocou a quase todos os cantos do banco de investimento global. O banco está a seguir os seus concorrentes no restabelecimento de um ritual suspenso durante a pandemia: a saída anual de pessoas com fraco desempenho.
Comentários