Partido de Le Pen junta-se a moção da esquerda contra o governo francês

A extrema-direita francesa, liderada por Marine Le Pen, anunciou que vai apoiar na Assembleia Nacional uma moção de censura ao Governo de Emmanuel Macron apresentada pelo bloco de esquerda, numa aliança sem precedentes.

A esquerda liderada pela França Insubmissa voltou a recorrer à fórmula da moção, antes de o Governo recorrer de novo à ativação de um artigo da Constituição que o autoriza a forçar a aprovação parlamentar de certas leis, procedimento que usou para aprovar a maior parte do orçamento para 2023.

A bancada da extrema-direita, que numa ocasião anterior apresentou a sua própria moção, anunciou hoje, em comunicado, que se limitará a juntar-se à que já está em cima da mesa.

“O voto comum de uma moção de censura não é obviamente uma aliança política”, esclareceu a União Nacional de Marine Le Pen.

Numa entrevista à France 2, Le Pen voltou a visar os republicanos, representação da direita moderada que optou por se abster nas moções anteriores.

Tal como então, os republicanos ficam na posição de aliados indiretos do Executivo da primeira-minitra, Elisabeth Borne.

A líder da extrema-direita repreendeu-os por quererem “apoiar o Governo” face ao que considera ser um sentimento maioritário da oposição.

“Devemos perguntar aos candidatos dos republicanos: estão na oposição ou na bancada de Emmanuel Macron?”, o Presidente francês, declarou Le Pen.

Recomendadas

Peru: Vice-Presidente investida como nova chefe de Estado

Dina Boluarte, anterior vice-presidente peruana, foi empossada como a nova chefe de Estado, depois de Pedro Castillo ter sido destituído pelo Congresso, acusado de tentar executar um golpe de Estado ao anunciar a dissolução daquele órgão.

Irão: Greve resulta em mais um dia de repressão de protestos estudantis

O Irão viveu mais uma jornada de greve com o comércio parcialmente fechado e manifestações de estudantes universitários contra o regime, reprimidas pelas forças de segurança.

São-tomenses pedem intervenção de Guterres para “evitar mais sangue”

Uma petição lançada pelo analista político são-tomense Danilo Salvaterra, com mais de 600 assinaturas, pede a intervenção direta do secretário-geral da ONU para evitar mais derramamento de sangue.
Comentários