Partido do Kremlin vai apoiar Putin nas eleições russas

O presidente russo anunciou no passado dia 14 de dezembro que se iria apresentar às eleições de março de 2018 como candidato independente.

Maxim Shemetov/Reuters

O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, anunciou este sábado que o partido no poder, o Rússia Unida, irá apoiar oficialmente a candidatura do presidente Vladimir Putin às eleições presidenciais russas, que se realizam no dia 18 de março de 2018.

“Este ano, o partido completou 16 anos e, durante todo esse tempo, teve apenas um líder indiscutível, um líder que reúne as pessoas (…) e unifica a Rússia, que tem a confiança e o apoio da maioria absoluta dos nossos cidadãos: Vladimir Vladimirovich Putin”, afirmou o governante, em declarações divulgadas pela EFE, à margem do congresso do partido.

O presidente russo anunciou no passado dia 14 de dezembro que se iria apresentar às eleições de março de 2018 como candidato independente. Durante a tradicional conferência de imprensa anual no Kremlin, o governante disse que, “em geral”, esperava “contar com um amplo apoio popular” e frisou que se for reeleito vai modernizar a economia, reafirmando a vontade de liderar uma Rússia “virada para o futuro”.

Relacionadas

‘Independente’ Putin arranca campanha para reeleição

Putin, que pela primeira vez concorrerá como candidato independente às eleições de março de 2018, realçou que a Rússia é “obrigada a defender a liberdade, estabilidade e a concórdia na sociedade para que os avanços sejam irreversíveis”.

Vladimir Putin: o Czar da Rússia pós-comunista recusa outra vez a reforma

Há uns meses, poucos acreditaram, apesar do que se dizia, que o presidente russo estivesse de partida. Afinal não estava: o mundo está demasiado atraente para alguém que fez a Rússia regressar ao topo deixar a viagem a meio.
Recomendadas

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários