Partidos remetem para terça-feira primeira reação à proposta do OE2020

Os partidos com assento parlamentar remeteram hoje para terça-feira uma primeira reação à proposta de Orçamento do Estado, que ainda não deu entrada na Assembleia da República.

Pelo terceiro ano consecutivo, devido à hora tardia em que o documento é entregue no parlamento, os partidos apenas comentam a proposta no dia seguinte à entrega do Orçamento.

Contactados pela Lusa, PS, PSD, BE, PCP, CDS, PAN, PEV, Chega, Iniciativa Liberal e Livre remeteram para terça-feira a primeira reação ao orçamento, sempre depois da tradicional conferência de imprensa do ministro das Finanças, Mário Centeno.

O CDS-PP apontou as 12:00 como hora indicativa, numa reação que será feita pela líder parlamentar Cecília Meireles, enquanto o PCP indicou as 17:00 como horário mais provável, também pelo líder parlamentar, João Oliveira.

No ano passado, o documento foi entregue ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, às 23:48 e a conferência de imprensa apenas se realizou no dia seguinte.

Em 2017, o Orçamento do Estado foi entregue às 23:16, mas ainda se realizou a tradicional conferência de imprensa do ministro das Finanças.

Recomendadas

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Covid-19: Testes deixam de ser recomendados a pessoas sem sintomas e internados com visitas

Os testes à infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 deixaram de ser recomendados a pessoas sem sintomas de infeção e doentes internados com covid-19 passam a poder receber visitas, avançou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Plataforma da A23 e A25 indignada com ausência da abolição de portagens no OE2023

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.
Comentários