Partidos violam sistematicamente a lei de financiamento desde que foi aprovada em 2003

Ano após ano, quase todos os partidos (com ou sem representação parlamentar) desrespeitaram várias normas da lei de financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais. As alterações que acabam de aprovar no Parlamento vão servir para contornar essas normas e deixar de pagar coimas anuais de milhares de euros.

Desde a entrada em vigor da lei de financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais, em 2003, após ter sido aprovada no Parlamento (com os votos a favor de PS, PSD e CDS-PP), quase todos os partidos políticos (grandes ou pequenos, com ou sem representação parlamentar) desrespeitaram várias normas dessa lei (todos os anos, sem exceção) e foram multados em centenas de milhares de euros pelo Ministério Público, na sequência de indicação do Tribunal Constitucional (TC). Não por acaso, as alterações à lei que acabam de aprovar no Parlamento (votos a favor de PSD, PS, PCP, PEV e BE; votos contra de CDS-PP e PAN) vão servir para contornar essas normas e deixar de pagar as coimas anuais.

Por exemplo, o mais recente relatório da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (órgão independente que funciona junto do TC e tem como atribuição coadjuvar tecnicamente o TC na apreciação e fiscalização das contas dos partidos políticos e das campanhas eleitorais) analisou as contas referentes a 2012 e detetou irregularidades em 14 partidos, nomeadamente pagamentos em dinheiro acima do limite legal no PCP e sobreavaliação de rendimentos no PS. Nesse ano, o TC só não detetou irregularidades nas contas do Partido Humanista, do Partido Operário de Unidade Socialista e do Portugal Pró Vida.

No que respeita às contas do PS em 2012, o TC apontou a “sobreavaliação de rendimentos” devido ao registo incorreto de um perdão de dívidas de quotas dos filiados, com um valor total superior a 2,4 milhões de euros. O TC considerou que o tratamento contabilístico adotado na sequência do perdão em causa “não foi adequado” e resultou numa “sobreavaliação dos resultados de 2012” correspondente ao valor das quotas perdoadas. Mais, o TC classificou como irregular uma doação de estruturas para cartazes de rua, avaliadas em 20 mil euros, superando assim o valor permitido por lei para uma doação singular (cerca de 10 mil euros).

Quanto ao PCP, na lista de irregularidades das contas de 2012 destacaram-se “pagamentos e recebimentos em numerário” por montantes superiores aos admitidos na lei. No conjunto dos pagamentos de despesas em numerário, com um valor total superior a 174 mil euros, o TC detetou vários pagamentos em dinheiro superiores a 419 euros (limite legal). Aliás, o valor total permitido para este tipo de pagamentos também foi ultrapassado. Por outro lado, o PCP obteve receitas em numerário com um valor total superior a 97 mil euros. E beneficiou de empréstimos particulares, totalizando cerca de 30 mil euros, o que configura “financiamento em condições mais favoráveis que as de mercado”, isto é, sem pagamento de juros nem prazos de amortização.

Na análise referente às contas de 2011, o TC detetou irregularidades em 12 partidos. Nesse ano, o BE foi um dos poucos que não violaram normas da lei de financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais. Por seu lado, o PS e o PCP foram os mais visados, tal como em 2012. Mas o PSD também foi sancionado por ter recebido “donativos de pessoas coletivas”.

Este é um caso relevante porque está diretamente associado a uma das alterações à lei que foram agora aprovadas: os partidos vão poder utilizar gratuitamente espaços cedidos por várias entidades públicas ou privadas (concretamente, “espaços que sejam geridos ou propriedade do Estado ou de pessoas coletivas de direito público, incluindo autarquias locais, de entidades do setor público empresarial ou da economia social”, tais como cooperativas, misericórdias, fundações e instituições particulares de solidariedade social). Ora, o problema do PSD em 2011 estava relacionado com cedências de espaços que foram consideradas como “donativos de pessoas coletivas” e, como tal, ilegais.

Relacionadas

Partidos podem ficar com IVA melhor do que IPSS (e receber 9 milhões em imposto)

“Um partido político passa a poder deduzir todo o IVA das festas, mas uma IPSS não pode deduzir 100% do IVA da comida que serve aos idosos”, explica um fiscalista ao “Jornal de Negócios”.

Financiamento dos partidos: António Costa não vai pedir fiscalização preventiva da lei

No entender do primeiro-ministro, este é o tempo de apreciação por parte do Presidente da República.

CDS e PAN pedem a Marcelo para vetar nova lei do financiamento dos partidos

CDS-PP garante que votou contra a nova lei do financiamento dos partidos devido à norma que prevê a devolução do IVA em todas as atividades e ao fim do limite máximo do financiamento por privados. Em conferência de imprensa, Assunção Cristas apela ao Presidente da República para vetar o diploma, juntando-se assim ao PAN, o outro partido que votou contra a nova lei.

Respostas Rápidas: O que muda no financiamento dos partidos?

A nova lei está a causar polémica, com os partidos a serem acusados de a aprovarem às escondidas e em benefício próprio. Saiba tudo o que está em causa.
Recomendadas

Associação Zero dá parecer negativo a mais voos noturnos em Lisboa

No início de agosto foi anunciado pelo Governo a intenção de aprovar uma portaria que permita anular temporariamente a parte da lei que estabelece restrições ao tráfego aéreo noturno entre as 0h e as 6h, que a Navegação Aérea (NAV) quer que seja entre o dia 18 e 29 de novembro, para implementar um novo sistema de controlo.

PS/Madeira acusa Governo Regional de estar “alheado da realidade”

O líder do PS/Madeira acusou este sábado o Governo Regional e os partidos que o compõem o executivo insular (PSD e CDS) de estarem “alheados da realidade” e dos problemas dos madeirenses porque estão “fechados nos gabinetes”.

Aquilo que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, refere Luís Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, afirmou este sábado que o que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, considerando que a vontade do Governo de privatizar a companhia não pode passar incólume.
Comentários