Passar as pontes 25 de Abril e Vasco da Gama vai ser mais caro em 2017

Em 78% dos casos, não haverá qualquer acréscimo de taxas de portagens a partir de 1 de janeiro de 2017.

As portagens nas pontes 25 de Abril e Vasco da Gama, geridas pela Lusoponte, vão ter aumentos entre cinco cêntimos e 15 cêntimos a partir de 1 de janeiro de 2017.

De acordo com um comunicado divulgado há minutos pelo Ministério do Planeamento e das Infraestruturas (MPI), o aumento de cinco cêntimos respeita aos veículos ligeiros, em ambas as pontes, enquanto o de 15 cêntimo incidirá sobre os veículos pesados (classe 4), na ponte Vasco da Gama.

O MPI adianta que os contratos cm a concessionária Lusoponte relativos a estas duas pontes “prevê uma revisão anual”.

O referido comunicado adianta que a atualização das taxas de portagem a partir de 1 de janeiro de 2017 vai abranger apenas 22% das taxas em vigor no País, “e será de apenas cinco cêntimos na generalidade das taxas da classe 1, sendo de 10 cêntimos num número reduzido de situações”.

Em 78% dos casos, não haverá aumentos de portagem em 2017, garante o ministério liderado por Pedro Marques.

 

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.
Comentários