Passos Coelho defende que PSD será sempre partido “relevantíssimo”

Pedro Passos Coelho defendeu hoje que o PSD será sempre “um partido relevantíssimo” na democracia portuguesa e afirmou que a sua decisão de não se recandidatar à liderança lhe parece “cada vez mais acertada”.

No jantar de Natal do grupo parlamentar do PSD, que será o último sob a sua liderança, Pedro Passos Coelho fez questão de deixar uma palavra sobre o futuro do partido, que, a 13 de janeiro, escolherá um novo presidente entre Rui Rio e Pedro Santana Lopes.

“Estou convencido de que o PSD será sempre um partido relevantíssimo, porque foi sempre um partido que, independentemente das suas lideranças, conseguiu pressentir o futuro para o país”, afirmou.

“Isso fará do PSD, em qualquer consulado, um partido que é importante no nosso xadrez político”, acrescentou, dizendo ter tido “uma enorme honra” em liderar o partido durante quase oito anos.

Passos agradeceu ao líder parlamentar, Hugo Soares, pelo vídeo com que o ‘presenteou’ antes da sua intervenção e que, ao longo de dez minutos, recorda momentos da sua presidência, desde sua eleição em 2010, à chegada ao cargo de primeiro-ministro e, depois, na oposição, com depoimentos de muitos dos deputados da bancada social-democrata.

“Estará quase a fazer oito anos que terei estado como presidente do PSD e isso é realmente imenso tempo, pelo que a decisão que anunciei há não muito me parece cada vez mais acertada. Há uma altura para tudo e o caminho que percorremos fecha um ciclo e abrirá um outro ciclo, no qual tenho a certeza de que o país estará no centro da ação do PSD e dos seus militantes e dirigentes”, afirmou.

Passos desejou ainda que este novo ciclo tenha “um suporte eleitoral significativo” que permita ao PSD regressar ao poder.
“O país não precisa do PSD apenas quando há resgate e as coisas correm mal, também precisa da força reformista do PSD”, afirmou.

 

Relacionadas

Do desafio de Cristas ao lamento do PSD: As reações dos partidos ao chumbo da Taxa Municipal de Proteção Civil

Cristas quer devolução com verbas de “outras áreas”. Moura considera que “não foi uma surpresa” para o PCP. Leal Coelho lamenta que Medina não tenha “dado ouvidos” ao PSD. Robles diz que “esta decisão do Tribunal Constitucional dá razão ao BE”, embora o BE tenha inviabilizado a revogação da TMPC na semana passada.

Santana Lopes afasta consensos com Governo até 2019

A decisão do candidato vem pôr em risco o processo de descentralização que o primeiro-ministro, António Costa, quer ver aprovado no Parlamento.

Rui Rio: “Santana está a fazer as mesmas trapalhadas que fazia em 2004”

Rio garantiu ainda que não pretende fazer qualquer tipo de acordo com o Governo liderado por António Costa, afastando um cenário de bloco central.

Rui Rio defende discriminação positiva que faça crescer economias do interior

O candidato a presidente do PSD Rui Rio defendeu hoje que deve haver uma política de discriminação positiva tendente ao crescimento das economias do interior, porque sem emprego não há fixação de população.

Sondagem: PS mais longe do PSD, mas governo tem avaliação negativa

O PS regista a intenção de voto de 40,2%, contra os 27,9% dos PSD. No entanto, O governo, como um todo, é avaliado positivamente por 32,7% dos inquiridos, enquanto 33,2% lhe dão nota negativa.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Ligação ferroviária entre Lisboa e Porto. PCP diz ser preciso “menos anúncios e mais investimento”

O PCP diz que o anúncio feito pelo Governo “já tenha sido feito em 2000 no último Governo PS com António Guterres, em 2004 no Governo PSD com Durão Barroso, em 2008 no Governo PS de José Sócrates”.

Conselho Nacional do PSD reúne-se hoje pela primeira vez na liderança de Luís Montenegro (com áudio)

A reunião, que terá o habitual ponto de análise da situação política, vai acontecer no final de um dia que deverá ficar marcado pelo debate sobre política geral com o primeiro-ministro, António Costa, no parlamento.
Comentários