Passos Coelho rejeita voltar à vida política

“Para a frente está a minha vida pessoal, não tem nada de política”, disse Passos Coelho aos jornalistas, quando questionado se equacionava voltar à vida política ativa.

O antigo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho rejeitou esta terça-feira ter planos para regressar à política ativa.

À chegada à sessão de apresentação do livro “Direito ao Futuro: por um mundo mais justo, mais verde e mais seguro”, do antigo-governante Jorge Moreira da Silva, Passos Coelho rejeitou ter a ambição de voltar à política.

A apresentação do livro do antigo ministro do Ambien­te e da Energia juntou Paulo Portas e Cavaco Silva, além de Passos Coelhos, assim como vários membros do XIX Governo Constitucional (2011-2015).

Questionado pelos jornalistas se tinha saudades de liderar aquele Executivo, o antigo Chefe de Governo respondeu que “o caminho faz-se sempre para a frente”.

Questionado se esse caminho incluirá, no futuro, algumas destas pessoas, Passos Coelho voltou a ser categórico: “Nada disso, para a frente está a minha vida pessoal, não tem nada de política”, disse.

Depois da saída da vida política, o ex-primeiro-ministro é desde 2018 professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP).

Recomendadas

Eutanásia: “Matéria de elevada sensibilidade que não parece que deva ser referendável”, diz PAN

Inês de Sousa Real destacou que o projeto da Eutanásia “já atravessou várias legislaturas com várias consultas públicas, inclusive áreas da medicina e também saúde mental”.

ISP: “Medida injusta e mesquinha”. Saiba o que dizem os partidos sobre os ajustes do Governo

Os partidos com representação parlamentar demonstram-se contra a posição tomada pelo Executivo de António Costa relativamente ao ISP.

Eutanásia. PSD justifica referendo com “caminho de não retorno” em matéria de “interesse nacional”

O projeto de resolução do PSD de referendo sobre a despenalização da eutanásia, hoje revelado, defende a consulta popular por considerar que está em causa “uma questão de relevante interesse nacional” que implica “um caminho de não retorno”.
Comentários