Patris Investimentos vai sair de bolsa

A Patris Investimentos SGPS acaba de anunciar ao mercado a convocatória de uma Assembleia Geral para 14 de dezembro às 15 horas, com um único ponto na agenda, a saída de bolsa.

Ph.Boutefeu/Euronext

A Patris Investimentos SGPS acaba de anunciar ao mercado a convocatória de uma Assembleia Geral para 14 de dezembro às 15 horas, com um único ponto na agenda, a saída de bolsa.

A empresa que entrou em bolsa em 2016 vai levar aos acionistas a deliberação “sobre a saída da sociedade do mercado Euronext Growth e sobre a exclusão da negociação das ações naquele mercado regulamentado”.

A notícia apanhou o mercado de surpresa pois a holding seguradora, dona da Real Vida é a única empresa do seu sector cotada em bolsa.

No fim de 2016 a empresa liderada por Gonçalo Pereira Coutinho era admitida à cotação no mercado não regulamentado da Euronext, o Alternext, com uma capitalização que ronda os 15 milhões de euros. O Alternext passou a mercado Euronext Growth a 20 de junho de 2017.

A operação de admissão à cotação em 2016 foi efetuada por oferta particular (modalidade em que três ou mais investidores totalizam 2,5 milhões de euros num período de 12 meses), tendo a Patris executado três aumentos de capital em 2016 de 2,6 milhões de euros, dos quais 2,5 milhões de euros colocados em 11 novos acionistas. Tal como referem as notícias da altura, os principais acionistas, Gonçalo Pereira Coutinho, e os administradores Eduardo Espinar Fernandez e João Freitas e Costa, continuaram a manter o controlo da empresa.

O Jornal Económico contactou Gonçalo Pereira Coutinho que explicou que “estarmos cotados em bolsa já não nos traz vantagens”.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários