Patrocinadores do Chelsea estão a começar a afastar-se do clube

As notícias aparecem depois do dono do clube, Roman Abramovich, um oligarca russo, ter sido sancionado pelo governo do Reino Unido por ser “uma pessoa associada ou que está ou esteve envolvida na desestabilização da Ucrânia e ameaçou a integridade territorial, a soberania e a independência da Ucrânia, nomeadamente Vladimir Putin, com quem Abramovich manteve uma relação próxima durante décadas”.

7 – Chelsea FC (1,31 milhões)

A empresa de telecomunicações Three suspendeu o seu patrocínio ao Chelsea e pediu ao clube que retire todos os logos da sua empresa do equipamento do clube temporariamente.

As notícias aparecem depois do dono do clube, Roman Abramovich, um oligarca russo, ter sido sancionado pelo governo do Reino Unido  por ser “uma pessoa associada ou que está ou esteve envolvida na desestabilização da Ucrânia e ameaçou a integridade territorial, a soberania e a independência da Ucrânia, nomeadamente Vladimir Putin, com quem Abramovich manteve uma relação próxima durante décadas”.

De acordo com o “The Guardian”,  a Three disse em comunicado na quinta-feira que “à luz das sanções anunciadas recentemente pelo governo, pedimos ao Chelsea Football Club que suspenda temporariamente o nosso patrocínio do clube, incluindo a remoção da nossa marca do equipamento e do estádio até novas informações.”

O clube recebeu uma licença especial para poder cumprir o calendário desportivo, mas não será mais permitido vender bilhetes para os jogos. Os adeptos que tiverem bilhete comprado podem assistir aos jogos, mas o clube não vai poder vender novos bilhetes. O dinheiro das transmissões de jogos e prémios será congelado e a licença está limitada a “atividades relacionadas com o futebol”, levando à proibição de contratar jogadores e renovar contratos. Abramovich precisará também da aprovação do governo do Reino Unido antes de poder vender o clube.

A Three disse ainda que “reconhecemos que esta decisão vai ter impacto nos adeptos do Chelsea que seguem a sua equipa apaixonadamente. No entanto, consideramos que, dadas as circunstâncias e as sanções do governo, é a coisa certa a fazer”.

O patrocínio da Three valia cerca de 40 milhões de libras (47 milhões de euros) por ano para o Chelsea. A Hyundai, que patrocina a manga do equipamento do clube diz estar a avaliar o acordo com o clube. “A Hyundai tornou-se um dos parceiros mais importantes no futebol ao longo dos anos e a empresa apoia que o desporto seja uma força para o bem”, afirmou o fabricante automóvel em comunicado. “Estamos neste momento a avaliar a situação com o Chelsea.” O negócio da Hyundai vale 10 milhões de libras por ano (12 milhões de euros por ano).

A Nike, que em 2016 acordou um patrocínio de 15 anos que vale 900 milhões de libras para fornecer o equipamento do clube, disse que não comenta as notícias do dia de Abramovich, nem o estado do seu patrocínio.

Relacionadas

Sanções a Roman Abramovich podem custar 130 milhões em patrocínios ao Chelsea

Analistas estão a aconselhar algumas das marcas que patrocinam o clube inglês a suspenderem os seus contratos, de forma a distanciarem-se do milionário russo que terá feito fortuna devido às ligações de proximidade com o presidente Vladimir Putin.
Recomendadas

Reabilitação do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra já foi consignada

A primeira fase de reabilitação dos pavilhões do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra, orçada em 338 mil euros, foi consignada hoje, revelou o município.

Mundial2022: Qatar retifica que morreram 40 trabalhadores nas obras dos estádios

Um porta-voz do Campeonato do Mundo de Futebol do Qatar retificou hoje o número anteriormente anunciado por um responsável de trabalhadores mortos na construção dos estádios para a competição, de “entre 400 e 500” para 40.

Mundial 2022. Qatar assume a morte de “entre 400 a 500” trabalhadores migrantes

“A estimativa é de cerca de 400” mortes de trabalhadores migrantes na construção dos estádios, de acordo com as declarações do principal responsável pela coordenação entre entidades públicas e privadas na construção dos estádios da competição. Estes números contradizem as estimativas de que terão morrido milhares de trabalhadores.
Comentários