PremiumPatrões defendem “redução gradual” do IRC. Querem baixa para 19% em 2023

O ministro da Economia abriu a porta a uma descida transversal do IRC. As confederações patronais salientam que esta é uma das suas reivindicações há vários anos e frisam que uma baixa para 19% seria “um sinal importante”.

“A minha esperança é que a redução do IRC seja global”. As palavras são do ministro da Economia, António Costa Silva, e vão ao encontro de uma das reivindicações assumidas há vários anos pelas confederações patronais: o alívio do IRC para promover a competitividade do tecido produtivo português. Uma diminuição dessa taxa para 19% é vista com “bons olhos” pelos empresários, que avisam, contudo, que esse seria apenas o primeiro passo, isto é, defendem que nos anos seguintes o imposto deveria continuar a ser aliviado gradualmente.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários