Paulo Portas recusa responder diretamente se ponderou demissão

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, recusou hoje comentar diretamente se ponderou um cenário de demissão por causa do programa de atribuição de vistos gold, questão suscitada por um deputado socialista, no parlamento. O deputado Pita Ameixa questionou, na audição que decorre na Comissão de Economia, se Paulo Portas “ponderou a demissão”. Na resposta, Paulo Portas voltou […]

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, recusou hoje comentar diretamente se ponderou um cenário de demissão por causa do programa de atribuição de vistos gold, questão suscitada por um deputado socialista, no parlamento.

O deputado Pita Ameixa questionou, na audição que decorre na Comissão de Economia, se Paulo Portas “ponderou a demissão”.

Na resposta, Paulo Portas voltou a valorizar o programa de atribuição de vistos dourados e não respondeu diretamente à questão colocada pelo deputado do PS, que se referiu também à demissão de Miguel Macedo do cargo de ministro da Administração Interna, por ter sentido que a sua autoridade política ficou diminuída.

“A demissão de Miguel foi de natureza pessoal”, limitou-se a afirmar Paulo Portas, que reiterou não dever tecer qualquer comentário sobre o processo judicial em curso relacionado com uma rede de atribuição de vistos dourados a troco de “luvas”, que envolve altas figuras do Estado.

OJE/Lusa

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.