Paulo Raimundo eleito secretário-geral do PCP por unanimidade

O dirigente Paulo Raimundo foi eleito secretário-geral do PCP por unanimidade, anunciou este sábado a direção comunista.

O anúncio foi feito por Margarida Botelho, do Secretariado do Comité Central comunista: “O Comité Central elegeu Paulo Raimundo como secretário-geral do PCP. A proposta foi aprovada por unanimidade. O camarada Paulo Raimundo entendeu não votar.”

Paulo Raimundo excluiu-se da votação, pelo que votaram apenas 128 dos 129 membros do Comité Central do PCP, esclareceu fonte do partido posteriormente à declaração de Margarida Botelho.

Paulo Raimundo, de 46 anos, é o quarto secretário-geral do PCP em democracia, sucedendo a Jerónimo de Sousa, que abandonou o cargo por razões de saúde ao fim de 18 anos.

O novo secretário-geral do partido é um de cinco dirigentes que pertence em simultâneo ao Comité Central, Comissão Política e Secretariado. Funcionário do partido desde 2004, Paulo Raimundo é descrito pelo PCP como um operário.

Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.
Comentários