PCP acusa Governo manter a recusa de soluções para “salvar o SNS” (com áudio)

Os comunistas acusam o Governo de faltar ao sistema de Saúde no Orçamento do Estado e recordaram que foi precisamente por isso que votaram contra o documento.

SNS

O PCP acusou esta segunda-feira o Governo de continuar a recusar as soluções para “salvar o SNS”, que passam por melhoria de carreiras e remunerações, regime de dedicação exclusiva e alargamento da formação médica especializada.

A líder parlamentar do PCP, Paula Santos, evidenciou esta posição do seu partido depois de a ministra da Saúde, Marta Temido, ter anunciado que o Governo vai avançar com “um plano de contingência para os meses de junho, julho, agosto e setembro” para procurar resolver a falta de médicos em serviços públicos de urgência hospitalares.

Em suporte vídeo, Paula Santos considera que “o Governo continua a recusar as soluções que são absolutamente fundamentais para enfrentar a atual situação do Serviço Nacional de Saúde [SNS]”, que já tinha recusado no âmbito do Orçamento do Estado para 2022.

“Aliás, foi a falta de resposta no Orçamento do Estado, quer em outubro, quando se discutiu, quer agora em maio, a falta de resposta para salvar o SNS que levou a que o PCP votasse contra o Orçamento do Estado. O Orçamento do Estado não contém as respostas que são necessárias para reforçar o investimento no SNS”, afirma.

Para o PCP, “contratar e fixar profissionais de saúde no SNS para assegurar o adequado funcionamento dos serviços de saúde exige a valorização das carreiras e remunerações de todos os seus trabalhadores” e também “exige a implementação do regime de dedicação exclusiva com a majoração da remuneração”.

“Exige o alargamento da atribuição de incentivos para a fixação de profissionais de saúde em zonas carenciadas. Exige também o alargamento da formação médica especializada e o investimento em instalações e equipamentos e a internalização dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica, como o PCP propôs”, acrescenta Paula Santos.

A deputada e dirigente comunista refere que “há muito que o PCP alertou para o problema da falta de médicos e para a sangria de profissionais de saúde no SNS” e observa: “Infelizmente, a realidade está-nos a dar razão”.

A líder parlamentar do PCP argumenta que “a não adoção das soluções que são necessárias pelo Governo do PS não só conduz à degradação do SNS como torna o PS e o Governo cúmplices daqueles que procuram degradar, procuram descredibilizar o SNS com o objetivo de transferir a prestação de cuidados para os grupos privados alimentando o negócio da doença”.

“Investir no SNS, reforçar a sua capacidade, valorizar os profissionais de saúde são a solução para salvar o SNS”, defende.

Relacionadas

Ministra da Saúde anuncia plano de contingência nas urgências (com áudio)

Mas só para os meses de verão. Marta Temido anunciou que vai ser posto em prática “um plano de contingência” entre junho e setembro para procurar resolver a falta de médicos nas urgências.
Recomendadas

Shangai sem novos casos de Covid-19 pela primeira vez desde março

Já em Pequim, foram relatas duas novas infeções locais este sábado.
médicos

Quase um em cada três utentes esperam por médico de família há mais de dois anos

Dados de maio do Ministério da Saúde revelaram que os 1,3 milhões de utentes não tinham médico de família, sendo que em setembro de 2019 o número era de 614 mil.

Covid-19. Relatório de monitorização indica incidência e mortalidade com tendência decrescente

Relativamente aos internados em cuidados intensivos no continente também revelaram uma tendência decrescente.
Comentários