PCP anuncia voto contra o Orçamento Suplementar na votação final global

Os comunistas consideram que o texto final da proposta orçamental, apesar de consagrar nove das propostas de alteração do PCP, está “claramente inclinado para o lado dos interesses do grande capital” e acentua a “desigualdade e injustiça na repartição do rendimento nacional entre capital e trabalho”. Esta é a primeira vez em cinco anos que o PCP vota contra um Orçamento.

O Partido Comunista (PCP) vai votar contra o Orçamento Suplementar na votação final global, marcada para esta sexta-feira. Os comunistas consideram que o texto final da proposta orçamental, apesar de consagrar nove das propostas de alteração do PCP, está “claramente inclinado para o lado dos interesses do grande capital” e acentua a “desigualdade e injustiça na repartição do rendimento nacional entre capital e trabalho”.

“O PCP votará contra o Orçamento Suplementar na votação final global por considerar que é um Orçamento claramente inclinado para o lado dos interesses do grande capital, constituindo-se como um instrumento de uma ainda mais acentuada desigualdade e injustiça na repartição do rendimento nacional entre capital e trabalho”, afirmou o líder parlamentar do PCP João Oliveira, em conferência de imprensa na Assembleia da República.

O líder parlamentar comunista referiu que, perante a proposta de Orçamento Suplementar apresentada pelo Governo, o PCP “denunciou os seus limites e insuficiências” e “apresentou propostas para as ultrapassar”, mas no documento final mantêm-se “os aspectos negativos da proposta inicial apresentada pelo Governo” e “o desequilíbrio inicial entre os benefícios e privilégios ao capital e a falta de resposta aos problemas dos trabalhadores e do povo”.

“O PCP não aprova um Orçamento que consagra o prolongamento do corte de salários a centenas de milhares de trabalhadores, que podem chegar ao fim do ano com a perda acumulada de dois ou três salários, ao mesmo tempo que se canalizam milhões e milhões para o grande capital”, referiu João Oliveira, sublinhando que “a vida provou este é um caminho errado” e que mantém “uma situação insuportável para quem sofre esses cortes”.

Para os comunistas, o texto final do Orçamento Suplementar não traz as soluções necessárias para garantir os salários a 100% e garantir o emprego e os direitos com a proibição dos despedimentos, assim como a dinamização do investimento público e o reforço dos apoios para as micro e pequenas empresas “confrontadas com a redução ou mesmo a cessação forçada da sua atividade”.

Ao mesmo tempo, o PCP contesta a falta de capacitação do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para responder às “necessidades imediatas no plano sanitário e para reforçar o nível de resposta exigível à garantia dos cuidados de saúde em geral” e a ausência de apoios sociais, designadamente no desemprego, e medidas para “assegurar os meios de subsistência a todos os que ficaram sem esses meios”.

“Em contraste, aprofundam-se privilégios e benefícios ao capital e aos grupos económicos como o prolongamento do lay-off associado agora a novas e significativas transferências de dinheiros públicos, o alargamento do prazo de reporte dos prejuízos fiscais, novos benefícios em sede de IRC e TSU, a fixação de incentivos à extinção de micro, pequenas e médias empresas (MPME) e concentração de capital”, lamenta o PCP.

Esta é a primeira vez, em cinco anos, que o PCP vota contra um Orçamento do Estado. Desde 2016 que o PCP tem viabilizado todas as propostas orçamentais apresentadas pelo Governo do PS. Na votação inicial do Orçamento Suplementar, na generalidade, o PCP tinha-se abstido.

Do pacote de 52 propostas de alteração apresentadas pelo partido na especialidade, apenas nove foram aprovadas. Entre elas estão o alargamento da suspensão do pagamento por conta de forma automática a todas as MPME, a devolução antecipada dos pagamentos especiais por conta não utilizados às MPME e cooperativas e o apoio ao pagamento das rendas habitacionais e não habitacionais.

O PCP conseguiu também assegurar o reforço da contratação de Trabalhadores para o SNS, assim como o reforço da capacidade em agudos e cuidados intensivos, a constituição de uma reserva estratégica de medicamentos e dispositivo e a “dispensa de prova de que a doença Covid-19 é consequência direta do exercício da profissão aos trabalhadores do setor da Saúde”.

Foi ainda aprovada parcialmente a proposta do PCP que prevê a manutenção do referente do valor da propina para atribuição de bolsas de estudo no Ensino Superior em consideração do rendimento do agregado familiar obtido em 2020.

Relacionadas

Orçamento Suplementar: PCP foi o partido com mais propostas aprovadas. Chega e IL não conseguiram nenhuma

O PCP conseguiu aprovar nove propostas de alteração ao Orçamento Suplementar na especialidade. Os comunistas foram seguidos de perto pelo Partido Social Democrata (PSD), que viu serem aprovadas oito das suas propostas. Já as iniciativas do Chega e o Iniciativa Liberal foram todas rejeitadas.
Recomendadas

“Surpreende-me a insensibilidade social de muitas medidas do Governo”. Margarida Balseiro Lopes em “Discurso Direto”

Discurso Direto é um programa do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Veja a entrevista a Margarida Balseiro Lopes, uma das vice-presidentes do PSD.

Paciência zero para a política Covid zero na China. Ouça o podcast a “A Arte da Guerra”

A política de Covid zero começa a fazer mossa na China com o confinamento de centenas de milhões de pessoas a desencadear protestos pouco comuns na presidência de Xi Jinping. Os incidentes diplomáticos no Qatar e a perseguição aos curdos por parte de Erdogan são também temas em análise.

Partidos votam contra ensino do português no estrangeiro gratuito

O único dos nove diplomas sobre ensino do português no estrangeiro que acabou por ser aprovado foi um projeto de resolução da iniciativa do Partido Socialista (PS).
Comentários