PCP considera que OE2023 deve dar prioridade à “recuperação e valorização de salários e pensões”

A líder do grupo parlamentar sublinha que o Governo “vai prolongar a perda do poder de compra por parte da esmagadora maioria dos trabalhadores”, depois de se ter reunido com o Executivo de António Costa.

Tiago Petinga / Lusa

A líder do grupo parlamentar do PCP, Paula Santos, considerou que o Orçamento do Estado para 2023 deve dar prioridade à recuperação e valorização de salários e pensões, depois de reunião com o Executivo de Costa para apresentação de cenário macroeconómico para o próximo ano.

“Aquilo que consideramos relativamente à situação do país e a resposta que o Orçamento do Estado deve dar é que a prioridade tem de ser a recuperação e valorização de salários e pensões”, destacou Paula Santos.

Nestas matérias, a comunista apontou que “já se conhecem” as intenções do Executivo, o que “significa que o Governo vai prolongar a perda do poder de compra por parte da esmagadora maioria dos trabalhadores”. “Há de facto esta necessidade de valorizar os salários, de valorizar também as pensões, mas a atual situação exige também o controlo e fixação de preços”, afirmou.

“Não podemos continuar a aceitar preços especulativos de bens essencial”. “O Governo tem a responsabilidade de intervir sobre esta matéria, assim como naturalmente não só da tributação dos grupos económicos como também de valorização dos serviços públicos e do investimento”, falou em nome do PCP.

Paula Santos referiu ainda que “temos visto como o investimento público, por via do Orçamento do Estado, tem sido manifestamente insuficiente face aquilo que são as nossas necessidades de responder na Saúde, de responder na Educação, de responder nas creches com uma rede pública, aumentando a capacidade de resposta para ir ao encontro daquelas que são as necessidades dos trabalhadores e do povo”.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Tecnologia torna “obsoletos” problemas dos contabilistas

No último ano, as empresas tecnológicas têm investido em soluções mais inovadoras para os gabinetes de contabilidade. A PHC Software e a Sage são exemplos, com novos ‘add-ons’ ou arquivos digitais.
Comentários