PCP critica medidas “curtas e parciais” e acusa Governo de “embuste” sobre pensões

O PCP defendeu esta segunda-feira que as soluções anunciadas pelo Governo para combater o contexto atual de inflação são “curtas e parciais” e acusou o executivo de “um embuste” relativamente às medidas dirigidas aos pensionistas.

Tiago Petinga/LUSA

O PCP defendeu esta segunda-feira que as soluções anunciadas pelo Governo para combater o contexto atual de inflação são “curtas e parciais” e acusou o executivo de “um embuste” relativamente às medidas dirigidas aos pensionistas.

“As medidas que foram anunciadas pelo Governo são claramente curtas, parciais, não dão uma resposta estrutural aos problemas que o país enfrenta e deixam intocados os interesses dos grandes grupos económicos”, defendeu o deputado Bruno Dias, na Assembleia da República, em Lisboa, em declarações aos jornalistas.

O comunista reagia às medidas aprovadas pelo Governo segunda-feira em Conselho de Ministros extraordinário que visam combater os impactos da inflação e que já foram entretanto promulgadas pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

“No caso destas prestações, não só não se vai responder ao poder de compra que já se perdeu este ano, como, por outro lado, em relação aos pensionistas, estamos perante uma autêntica fraude, um verdadeiro embuste que tem de ser denunciado”, acusou.

O primeiro-ministro anunciou que, em outubro, os pensionistas vão ter um pagamento extra no valor equivalente a meia pensão e, a partir de janeiro, um aumento entre 4,43% e 3,53% em função do valor da sua pensão.

Bruno Dias continuou, salientando que “aquilo que está a ser anunciado é uma prestação que tem como contrapartida uma limitação que vai impedir a atualização das pensões de reforma nos termos que a lei exige”.

“Se o governo pretende desde já avançar com prestações no sentido de responder de forma mais imediata ou mais pontual, então que avance, mas de modo nenhum isso pode substituir as atualizações e os aumentos das pensões de reforma e dos salários dos portugueses e ao mesmo tempo também do controlo dos preços dos bens essenciais para fazer face à situação no país”, concluiu.

“Ao ser anunciado meia pensão, se contabilizarmos o que vai ser o resultado ao longo do ano de 2023 na atualização aquém daquilo que a lei hoje prevê, olhe, podemos dizer que é uma meia pensão que nem dá para o pequeno-almoço”, detalhou o deputado.

Na opinião dos comunistas “aquilo que está a acontecer neste contexto é uma perspetiva de limitação abaixo daquilo que está obrigatoriamente previsto na atualização das pensões de reforma”.

Relacionadas

Governo apresenta plano de 2,4 mil milhões para apoiar as famílias (com áudio)

As medidas geraram alguma expectativa dado o peso que a subida de preços tem tido nos orçamentos das famílias portuguesas.
Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Associação Zero dá parecer negativo a mais voos noturnos em Lisboa

No início de agosto foi anunciado pelo Governo a intenção de aprovar uma portaria que permita anular temporariamente a parte da lei que estabelece restrições ao tráfego aéreo noturno entre as 0h e as 6h, que a Navegação Aérea (NAV) quer que seja entre o dia 18 e 29 de novembro, para implementar um novo sistema de controlo.

PS/Madeira acusa Governo Regional de estar “alheado da realidade”

O líder do PS/Madeira acusou este sábado o Governo Regional e os partidos que o compõem o executivo insular (PSD e CDS) de estarem “alheados da realidade” e dos problemas dos madeirenses porque estão “fechados nos gabinetes”.
Comentários