PCP defende que “crescimento económico está muito aquém das necessidades do país”

O partido considera que é necessário inverter a política de desinvestimento nos serviços públicos, que “dificulta a vida das pessoas”, e é essencial que haja um “rompimento com a política de direita” para que se adote “uma política patriótica e de esquerda”.

O Partido Comunista Português (PCP) defendeu esta terça-feira que o crescimento económico está muito aquém das necessidades do país. O partido considera que é necessário inverter a política de desinvestimento nos serviços públicos, que “dificulta a vida das pessoas”, e é essencial que haja um “rompimento com a política de direita” para que se adote “uma política patriótica e de esquerda”.

Em declarações sobre a mensagem de Natal do primeiro-ministro, António Costa, o PCP identificou “contradições” no discurso. “Por um lado, [António Costa] defende a necessidade de defesa dos direitos [dos trabalhadores] e da melhoria das condições de vida, mas depois a política que vem desenvolvendo no Governo e o caminho que aponta para desenvolver no futuro vai exatamente ao contrário desta necessidade”, afirmou Jorge Pires, membro da Comissão Política do Comité Central do PCP.

“O PCP tem apontado um conjunto de soluções para estes problemas, que exigem o rompimento com um conjunto de compromissos, quer com o grande patronato, quer com a União Europeia, e o facto de este Governo não ter sido capaz de romper com esses compromissos, tem feito com que o crescimento económico ficasse aquém das necessidades”, sublinhou Jorge Pires.

O membro da Comissão Política do Comité Central do PCP disse ainda que “se não houver uma inversão nas políticas que têm vindo a ser seguidas, se não fizermos um maior investimento no aparelho produtivo nacional, se não substituirmos a importação pela exportação de produtos nacionais, se não fizermos um maior investimento na ciência e na tecnologia para melhorar a qualidade da produção das nossas empresas, se não valorizarmos os nossos trabalhadores, pode haver esse perigo [de retrocesso]”.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.
Comentários