PCP defende que Governo está obrigado a resolver problemas dos professores

“O Governo está obrigado a dar resposta aos problemas [dos professores], acho que não tem outra alternativa”, afirmou Paulo Raimundo em declarações aos jornalistas na praça do Rossio, em Lisboa, onde marcou presença numa concentração de professores no âmbito do primeiro dia de greve promovida pela Federação Nacional de Professores (Fenprof) e outras sete organizações sindicais.

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, defendeu hoje que o Governo “está obrigado” a responder aos problemas dos professores e que terá uma oportunidade nos próximos dias para o fazer, considerando que “não tem outra alternativa”.

“O Governo está obrigado a dar resposta aos problemas [dos professores], acho que não tem outra alternativa”, afirmou Paulo Raimundo em declarações aos jornalistas na praça do Rossio, em Lisboa, onde marcou presença numa concentração de professores no âmbito do primeiro dia de greve promovida pela Federação Nacional de Professores (Fenprof) e outras sete organizações sindicais.

Perante os jornalistas, Paulo Raimundo defendeu que “tem de haver vontade política” da parte do Governo para responder às exigências dos professores, avisando que “os problemas que são acumulados, que não são resolvidos, tenderão a piorar”.

“Eu acho que o Governo tem uma oportunidade nos próximos dias de dar resposta a estes problemas. Agora vamos ver qual é a opção do Governo”, frisou.

O secretário-geral do PCP considerou que tem havido um “profundo desrespeito” para com os professores, salientando que “basta ver os anos em que as suas carreiras estão congeladas” e em que “não se dá resposta aos problemas concretos”.

Sobre a proposta do Governo – avançada pela RTP no domingo à noite – de vinculação dos professores ao fim de três anos completos de serviço a contrato, Paulo Raimundo disse que se trata de uma “medida que já está em vigor”.

“Não há aí grande novidade nisso. Nem sei muito bom como é que isso surgiu”, referiu, reiterando que é necessário encontrar “resposta aos problemas” e não “manobras”.

Paulo Raimundo considerou ainda que o facto de o ministério da Educação ter afirmado que está a verificar a legalidade do recurso a fundos de greve é uma “forma de pressionar” e advertiu que esse não “é um bom caminho”.

“Os professores não podem ser cobaias de uma tentativa de alteração à lei da greve, que é isso que pode estar em causa”, alertou.

Para Paulo Raimundo, “o que o ministro da Educação devia fazer era concentrar todo o seu tempo, as suas forças e os seus instrumentos para resolver o problema dos professores”.

“O resto é para desviar as atenções, e é preciso é concentrar todo esse esforço na resolução dos problemas e no respeito que merecem”, salientou.

Questionado se considera normal haver manifestações e greves enquanto está a decorrer um processo negocial com o Governo, Raimundo respondeu que “é tudo legítimo, o que é preciso é dar resposta aos problemas das pessoas”.

Acompanhado pelo membro da Comissão Política do Comité Central do PCP Jorge Pires, Paulo Raimundo salientou que se deslocou até à concentração de professores no Rossio para manifestar solidariedade “com a luta dos professores, que é uma luta que é justíssima”.

“Os professores estão neste processo muito importante, em torno dos seus próprios problemas, as suas reivindicações, acima de tudo também por uma questão que pode parecer subjetiva, mas que é fundamental neste momento, que é pelo respeito, o respeito pela sua profissão, pela sua dedicação, pela sua valorização”, salientou.

Questionado sobre como vê a emergência de sindicatos como o STOP, Paulo Raimundo referiu que são “expressões novas que estão no terreno”, mas que não consistem em “nada de novo”.

Interrogado se esses sindicatos não tiram margem de influência a sindicatos como a Fenprof, o secretário-geral do PCP descartou essa ideia.

“Basta ver estas ações que estão a decorrer, que começam hoje e já tiveram expressões anteriormente. Os professores encontrarão certamente a forma de unidade. É isso que é fundamental”, sublinhou.

A greve de professores, convocada por uma plataforma de oito organizações sindicais, começou hoje em Lisboa e prolonga-se por 18 dias nos restantes distritos do país.

Esta greve realiza-se ao mesmo tempo em que decorrem outras duas paralisações: uma greve por tempo indeterminado, convocada pelo Sindicato de Todos os Professores (STOP), que se iniciou em 09 de dezembro e vai manter-se, pelo menos, até ao final do mês, e uma greve parcial ao primeiro tempo de aulas convocada pelo Sindicato Independente de Professores e Educação (SIPE), que deverá prolongar-se até fevereiro.

Os professores contestam algumas das propostas apresentadas pelo Ministério da Educação no âmbito da negociação da revisão do regime de mobilidade e recrutamento de pessoal docente, mas reivindicam também soluções para problemas mais antigos, relacionados com a carreira docente, condições de trabalho e salariais.

Recomendadas

Ministro da Saúde garante que nenhuma maternidade vai ser fechada 

Questionado sobre qual seria o modelo certo para combater o facto de as maternidades estarem num sistema de rotatividade, Manuel Pizarro considera que esta solução tem provado que funciona bem.

RCA. Costa adverte que seria grave retirar forças militares e deixar este país exposto

O primeiro-ministro defende a continuidade da presença de Portugal nas missões das Nações Unidas na República Centro-Africana (RCA) e adverte que o pior seria retirar do terreno as forças de paz multinacionais e deixar este país exposto.

Lucros da banca são à custa de quem “mal pode” jantar à segunda-feira

O secretário-geral do PCP repudiou as declarações do presidente do Santander Totta que criticou os comportamentos dos portugueses.
Comentários