PCP diz que entrada de Portugal no euro trouxe “consequências desastrosas”

João Ferreira aponta que “governos de PS, PSD e CDS, que nos meteram no Euro, atiram culpas uns aos outros, mas ocultam o seu compromisso comum com o Euro e os danos que causou”.

João Ferreira, membro da Comissão Política do Partido Comunista Português (PCP), fez a sua avaliação da entrada de Portugal no euro, esta sexta-feira, e considerou que existiram “consequências desastrosas” desta ação.

“No primeiro dia de 2022 passarão vinte anos desde que entraram em circulação as moedas e notas de Euro”, começou por recordar João Ferreira em comunicado na página do partido. “Vinte anos passados, a realidade desmente a propaganda e dá razão aos que, como o PCP, previram e preveniram para os impactos da adesão”, sublinhou.

“As consequências do Euro foram, e continuam a ser, desastrosas para Portugal e para o povo português”, garantiu o comunista, apontando que “governos de PS, PSD e CDS, que nos meteram no Euro, atiram culpas uns aos outros, mas ocultam o seu compromisso comum com o Euro e os danos que causou, e causa, ao País e ao povo português”.

Segundo o PCP “depois de aderir ao Euro, o crescimento económico nacional reduziu-se a menos de um quarto”. “O Euro trouxe recessão e estagnação, uma grande insuficiência de crescimento. O nosso País, como os outros, atravessou ciclos económicos e crises, mas a moeda única não o protegeu, bem pelo contrário, como se viu durante o período da troika. Portugal não perdeu anos, perdeu décadas”, defendeu.

João Ferreira é ainda da opinião que “o Euro não foi feito para Portugal. Foi feito à medida das necessidades e dos interesses do capital financeiro, das multinacionais europeias, da capacidade produtiva e exportadora da Alemanha”.

“Para o PCP, os direitos, os salários, o desenvolvimento, a resposta aos problemas do povo e do País, sobrepõem-se às imposições externas”, referiu também.

 

 

Relacionadas

Legislativas. Jerónimo promete campanha nas ruas e afasta despedida

Lisboa, 31 dez 2021 (Lusa) – O secretário-geral do PCP garantiu que vai fazer uma campanha eleitoral de contacto nas ruas, dentro dos constrangimentos provocados pelo agravamento da pandemia, e descartou que estas sejam as legislativas da despedida.

PCP solidário com as reivindicações dos trabalhadores da CGD

Em comunicado divulgado na página do PCP os comunistas referem que a CGD continua “sem pagar as horas extra” e que “continuam as represálias a diversos trabalhadores”, no último dia de greve organizada pelo Sindicato de Trabalhadores das Empresas do grupo Caixa Geral de Depósitos.

Jerónimo de Sousa: “Provamos pela intervenção do PCP que é possível fazer andar para a frente as condições de vida”

Segundo o líder do PCP foi graças à “determinação” e capacidade “de não desistir” do partido que avançaram os “manuais escolares gratuitos, passe social intermodal , transportes mais baratos
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

BE defende regime de moratórias bancárias e impenhorabilidade da primeira habitação

As medidas para fazer face ao aumento dos preços da habitação foram apresentadas por Catarina Martins, que defende também um programa “Arrendar para Habitar”.

Apertem os cintos! Vamos agora aterrar em Santarém. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.
Comentários