PCP e BE criticam CDS-PP sobre a TAP: “Tão depressa nacionalizam prejuízos como privatizam lucros”

BE e PCP criticam o CDS por apoiar modelo de privatização da TAP. Por sua vez, o CDS critica os partidos de esquerda por não se manifestarem em relação à verba cedida pelo Estado a David Neelman.

A companhia aérea portuguesa esteve em destaque esta quarta-feira na Assembleia da República com acusações do Partido Comunista Português (PCP) e Bloco de Esquerda (BE) ao CDS-PP pelas decisões do partido em relação à TAP nos anos de governação conjunta com o PSD.

“Não podemos deixar de repudiar a forma desonesta politicamente como está a ser colocado por parte de alguns partidos e aqui destaco o CDS e PSD”, referiu Bruno Dias do PCP sublinhando ainda que quando a direita fala “em não ter complexos ao setor publico e setor privado às nacionalizações e privatizações nós observamos, de forma muito concreta, como têm sido as experiências: os senhores tão depressa nacionalizam prejuízos como privatizam lucros”.

Bruno Dias considerou que a “TAP tem vindo a atravessar uma situação com enormes ameaças e com problemas da maior gravidade, mas sem dúvida que um problema que não é pequeno, nem é pouco relevante para a TAP é a demagogia, o populismo e o oportunismo político daqueles que na esfera politico partidária aproveitam a situação da TAP para fazer guerrilha e que aproveitam a crise pandémica para apostar no âmbito social e para pedir a cabeça aos trabalhadores e aos seus direitos”.

Depois dos comunistas, foi o Bloco de Esquerda que apontou críticas aos centristas. “A forma como a direita, tem feito audição após audição, denota bem a falta de seriedade com que o CDS está neste debate”, garantiu a deputada bloquista Isabel Pires.

Para o BE é importante “perceber os resultados desastrosos da privatização que o Governo de PSD e CDS provocaram”. Isabel Pires frisou ainda que os partidos à direita “deram uma empresa estratégica para a economia portuguesa a um acionista privado”, referindo-se à época em que CDS e PSD lideraram Portugal, com Pedro Passos Coelho como primeiro-ministro. “Como é que o PSD e CDS continuam a defender um modelo privado?”, questionou-se a deputada.

Por sua vez, o deputado do CDS-PP, João Gonçalves Pereira explicou que o tema “implica discussão” e na sua opinião “o PCP e BE não querem fazer a discussão”. O centrista assume que defende a gestão privada apesar de reconhecer “que há problemas”. No entanto, João Gonçalves Pereira não deixou de salientar que a sua “declaração politica demonstra por A mais B que o senhor Neeleman não tinha direito a 55 milhões de euros e PCP e Bloco de Esquerda não dizem nada”, apontando que existe um “total conforto” à esquerda com o dinheiro cedido pelo Estado a David Neeleman, que deixou de fazer parte do capital da TAP em 2020.

 

Relacionadas

Pedro Nuno Santos: “David Neeleman não queria meter nem um cêntimo na TAP”

Perante as críticas, o ministro justificou hoje no Parlamento a decisão de comprar a participação de David Neeleman para o Governo ter o poder de desenhar o plano de reestruturação.

Secretário regional da Economia critica tratamento dado pela República à Madeira

O governante apresentou uma lista de lamentos à República, onde se inclui a falta de aval do Estado a um empréstimo da região, que leva a que a Madeira pague mais 80 milhões de euros. Rui Barreto lamentou que a República não isente os empresários que têm empresas com sede na região do pagamento da TSU, e criticou o Governo nacional por estar preparado para injetar 3,5 mil milhões de euros na TAP, “apesar de não se ter preocupado com a forma com a TAP gere as ligações com a Madeira e a diáspora”.
Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.
Comentários