PremiumPCP: entre a “irrelevância” e o “ritmo próprio”

A poucos dias da sua Convenção Nacional, o PCP subtraiu-se ao ‘filme’ das mudanças de líder que costumam apimentar um mediatismo que o partido dispensa. Mas é impossível não aceitar que em causa está a sua sobrevivência política.

Num quadro europeu onde a maioria dos seus congéneres se diluiu em coligações em tudo semelhantes às que José Estaline, através do Comintern, definiu como estratégicas algures na década de 1930 – com a diferença essencial de que os partidos comunistas já não são necessariamente quem as lidera – o Partido Comunista Português (PCP) muda de secretário-geral este fim-de-semana e, como sempre, resiste.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumNancy Pelosi: o render da guarda da guardiã dos velhos democratas

Devidamente independente para uns, demasidado independente para outros, a “louca Nancy Pelosi”, como Trump lhe chamava, é apenas dois anos mais velha que Joe Biden

PremiumBAHR, aliança luso-nipónica

O restaurante BAHR &TERRACE, no Bairro Alto Hotel, em Lisboa, está a funcionar desde 2017, com uma cozinha que se aprecia da sala de refeições, desenhada especificamente pelo chef Hugo Rocha, que manda aqui.

PremiumHistórias envelhecidas e guardadas em vidro

A Casa da Passarella, renomado produtor de vinhos do Dão, subregião da Serra da Estrela, acaba de lançar no mercado diversas novidades, incluindo uma nova colheita após 11 anos de estágio, o tinto Vindima 2011, que leva o nome da casa no rótulo.
Comentários