PCP: Era preciso “reduzir rendas na justa proporção dos rendimentos perdidos”

“Desde o início que alertámos para a necessidade urgente de uma resposta rápida e efetiva que salvaguardasse a situação destas famílias, destas empresas e dos trabalhadores. Uma situação e uma resposta que não ficasse reduzida à possibilidade de adiar pagamentos, acumular dívidas e deixar os problemas acumularem-se”, disse o deputado Bruno Dias.

Tiago Petinga/LUSA

O deputado Bruno Dias do PCP apontou na Assembleia da República que era preciso agir rapidamente e que uma das principais medidas que deveria ter sido imposta era o apoio direto ao pagamento das rendas, nomeadamente “fazê-las reduzir na justa proporção dos rendimentos perdidos nesta situação excecionalmente graves”.

“Desde o início que alertámos para a necessidade urgente de uma resposta rápida e efetiva que salvaguardasse a situação destas famílias, destas empresas e dos trabalhadores. Uma situação e uma resposta que não ficasse reduzida à possibilidade de adiar pagamentos, acumular dívidas e deixar os problemas acumularem-se”, disse o deputado do PCP.

Bruno Dias disse ainda que alertou o Governo ainda em abril de que “o pior não estava certamente ultrapassado e que era preciso agir rapidamente”. “À medida que o tempo foi passando, os problemas tornaram-se mais graves. Aquilo que hoje está a acontecer é a demonstração de que estas respostas vêm tarde e podiam ter sido tomadas oportunamente na altura certa”.

O deputado do PCP esclareceu ainda que enquanto a proposta de prorrogação do Governo é até ao fim do primeiro semestre de 2021, a mesma prorrogação deveria ser até ao fim do próximo ano. O PCP clarifica que é preciso clarificar a situação que está em vigor relativamente aos centros comerciais, às dívidas vencidas e também às dívidas não pagas desde o início da crise, que foram acumulando.

Relacionadas

BE pede apoio ao pagamento de rendas e quer impedir fim dos contratos. Medida “não é apenas justa, mas essencial”

Os bloquistas querem que os contratos de arrendamento para fins não habitacionais sejam estendidos por um período igual ao da duração da pandemia para os negócios mais afetados pela pandemia. “Estender os períodos dos contratos na mesma medida da redução económica não é apenas justo, é essencial para que estas empresas possam retomar a sua atividade”, diz Manuela Rola.

Governo quer alargar tempo dos contratos de arrendamento comercial

A segunda dimensão desta proposta de lei prende-se com os estabelecimentos que estão encerrados desde o mês de março e que, estando encerrados, presumivelmente continuarão encerrados até 2021.
Recomendadas

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Excedente orçamental melhora para 2,3 mil milhões de euros em agosto

Este valor representa uma melhoria de 9.211 milhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o comunicado do Ministério das Finanças.

Banco Nacional de Angola desce juros, em contraciclo com os outros bancos centrais

O comité que decide a política monetária angolana justificou a descida dos jurps com a “consistência do abrandamento da evolução de preços na economia nacional, particularmente desde o início do ano, como resultado do contínuo e rigoroso controlo da liquidez, da apreciação do kwanza em relação às principais moedas utilizadas nas transacções com o exterior”.
Comentários