PCP pretende renovar uma política patriótica e de esquerda

Resolução Política do PCP aprovada por unanimidade no XX Congresso que termina hoje em Almada. Esta resolução estabelece a estratégia do partido para os próximos quatro anos, exigindo a libertação dos constrangimentos do euro e afirmando a “integral independência” dos comunistas.

Foi aprovada por unanimidade pelos cerca de 1200 delegados neste XX Congresso, a Resolução Política que estabelece a estratégia do partido para os próximos quatro anos, exigindo a libertação dos constrangimentos do euro e afirmando a “integral independência” dos comunistas.

Segundo informação divulgada pela Lusa, o documento aprovado afirma que o partido não é “força de suporte” ao Governo PS, e que a “solução política alcançada – viabilização do governo minoritário socialista – não responde à indispensável” rutura com a “política de direita”.

A durabilidade desta solução “depende da adoção de uma política que assegure a inversão do rumo de declínio e retrocesso imposto pelo governo anterior e corresponda aos interesses e aspirações dos trabalhadores e do povo”, lê-se.

Os comunistas mantém também as propostas de “aspetos prioritários” para uma “política patriótica e de esquerda”, a começar pela “libertação do país da submissão do euro e das imposições e constrangimentos da União Europeia”.

A renegociação da dívida pública, a valorização do trabalho, a defesa e promoção da produção nacional, a garantia do controlo público da banca e a recuperação para o Estado dos setores estratégicos da economia são os primeiros objetivos fixados.

O PCP sublinha ainda as “limitações do Governo PS”, afirmando ter “consciência plena destas contradições e exigências” e diz que “continuará a intervir” fazendo a “avaliação que a cada momento faça do conteúdo da política prosseguida” com a “integral independência que preserva”. De acordo com o relatório da Comissão de Redação do congresso, foram aceites “mais de 600” das 1800 propostas de alteração ao documento, números que coincidem com os do congresso de 2012 em que também foram acolhidas 600 de 1800 propostas.

O relatório, elaborado por Jorge Cordeiro, da Comissão Política do PCP, indica que foram rejeitadas propostas que “colocavam em causa importantes princípios que caracterizam e orientam as relações internacionais” do partido, assim como propostas que questionavam a “existência de etapas na construção do socialismo”.

Segundo o documento também não foram aceites propostas que “apontavam para uma desvalorização dos resultados eleitorais”, e propostas de “repetição excessiva de caracterização do PS como partido de política de direita, quando essa caracterização está presente e afirmada com clareza” e ideias que “não se enquadram no plano político e ideológico no sentido geral das Teses”.

Relacionadas

Jerónimo de Sousa reeleito secretário-geral do PCP por unanimidade

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, foi hoje reeleito por unanimidade, aos 69 anos, pelo Comité Central comunista, anunciou o partido no XX Congresso, em Almada.
Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários