PCP solidário com mulheres “trabalhadoras e mais vulneráveis” dos EUA

O PCP considerou hoje que serão “as mulheres trabalhadoras e das camadas mais vulneráveis” as mais prejudicadas pela decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, classificando a decisão de anular a proteção constitucional ao aborto como “um retrocesso”.

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos anulou na sexta-feira a proteção do direito ao aborto em vigor no país desde 1973, permitindo que cada Estado decida se mantém ou proíbe a interrupção voluntária da gravidez.

“Mulheres trabalhadoras e das camadas mais vulneráveis serão as mais prejudicadas com este retrocesso nos EUA. Todos os que lutaram e lutam pelos direitos sexuais e reprodutivos da mulher e o direito a uma maternidade livre e informada estão solidários”, refere a deputada comunista Alma Rivera numa publicação na rede social Twitter.

A deputada deixa, contudo, uma mensagem de esperança no futuro, salientando que “nenhum direito se perde para sempre”.

Os juízes da mais alta instância judicial norte-americana, atualmente com uma maioria conservadora, decidiram anular a decisão do processo “Roe vs. Wade”, que, desde 1973, protegia como constitucional o direito das mulheres ao aborto.

Esta decisão não torna ilegais as interrupções da gravidez, mas devolve ao país a situação vigente antes do emblemático julgamento, quando cada Estado era livre para autorizar ou para proibir tal procedimento.

Relacionadas

Supremo tribunal dos EUA reverte decisão com 50 anos que permitia aborto

Com esta decisão, mais de metade dos estados norte-americanos deverão aprovar restrições ou proibir a realização de interrupções voluntárias de gravidez.

“Um dia triste para o país”, diz Joe Biden sobre revogação do direito ao aborto nos EUA

O tribunal deu o passo de derrubar a decisão que reconhecia o direito constitucional de uma mulher a um aborto e legalizou-o a nível nacional, concedendo uma importante vitória aos republicanos e conservadores religiosos que querem limitar ou proibir o procedimento.

Costa “dececionado” com decisão do Supremo dos EUA sobre direito ao aborto

O primeiro-ministro, António Costa, mostrou-se “dececionado” com a decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, que anulou a proteção do direito ao aborto em vigor no país desde 1973.

Partido de Emmanuel Macron quer inscrever direito à IVG na Constituição

O partido do Presidente francês, Emmanuel Macron, agora conhecido como Renascimento, anunciou este sábado que vai apresentar uma proposta de lei para integrar o direito à interrupção voluntária da gravidez (IVG) na Constituição francesa, após a polémica decisão do Supremo norte-americano.
Recomendadas

PSD acusa Governo de autoritarismo e ministra da Agricultura de reação “descabelada”

O secretário-geral do PSD acusou o Governo de tiques de autoritarismo e de desrespeito pelas instituições, aludindo ao que considera uma reação “descabelada” da ministra da Agricultura em relação à CAP.
SNS

Ordem dos Enfermeiros vai insistir na criação de centros de parto normal

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros disse que vai “insistir até à exaustão” na criação de centros de parto normal, como forma de resolver um problema particularmente expostos nas últimas semanas.

CDS exige a demissão da ministra da Agricultura, depois de acusação da CAP de “bullying político”

A iniciativa dos centristas surge depois de a ministra ter dado uma resposta “inqualificável e inaceitável” quando questionada sobre medidas para mitigar seca, tendo acusado a CAP de  aconselhar os eleitores a não votar no Partido Socialista”.
Comentários