PCP vai estar presente nas cerimónias fúnebres em Havana

O PCP vai estar presente em Havana, Cuba, nas cerimónias fúnebres do líder histórico Fidel Castro, fazendo-se representar por Albano Nunes.

Then Cuban President Fidel Castro fights a yawn on the first day of the VII Ibero-American summit on Margarita Island in this November 8, 1997 file photo. REUTERS/Andrew Winning/File Photo

Em comunicado, o PCP expressou a sua solidariedade ao Partido Comunista de Cuba e ao povo cubano. “Neste quadro e associando-se à homenagem do povo cubano ao histórico dirigente da sua revolução e expressando a sua solidariedade ao Partido Comunista de Cuba e ao povo cubano, o PCP terá a oportunidade de participar no ato que será realizado amanhã, dia 29 de novembro, na Praça da Revolução José Martí, em Havana”, é referido.

O PCP vai ser representado por Albano Nunes, responsável pelas Relações Internacionais no partido. Cuba decretou nove dias de luto nacional pelo óbito do líder histórico Fidel Castro, que morreu na noite de sexta-feira, aos 90 anos, e anunciou que o funeral vai realizar-se a 4 de dezembro.

Durante a semana vão realizar-se diversas homenagens em Cuba e uma procissão com as cinzas do ex-presidente cubano vai atravessar o país ao longo de quatro dias.

As cerimónias fúnebres vão realizar-se em Santiago de Cuba, no sul do país.

Recomendadas

Joe Biden declara emergência para a Florida por causa da tempestade Ian

A tempestade tropical Ian, que se prevê possa converter-se em furacão, avança este domingo pelas Caraíbas em direção às Ilhas Caimão, numa trajetória que deverá levá-la ao oeste de Cuba e ao sudeste do Golfo do México no início da semana.

Eleições em Itália: Salvini confiante de que a Liga será uma das forças parlamentares “no pódio”

Nestas eleições, nas quais o bloco de direita, liderado por Meloni, é o favorito, cerca de 50 milhões de pessoas terão de ir às urnas, com mais de quatro milhões de italianos no exterior.

São Tomé/Eleições: PM são-tomense espera eleições ordeiras e “com toda a transparência”

O chefe do executivo afirmou que “o processo na sua globalidade está a decorrer” conforme as expectativas “e fazendo jus à tradição democrática que se vive em São Tomé e Príncipe”, apesar de um protesto na localidade do Bairro do Hospital por falta de água potável na zona.
Comentários