PCTP/MRPP. Garcia Pereira demite-se

Garcia Pereira anunciou esta quinta-feira que apresentou a demissão do PCTP/MRPP. A demissão terá sido apresentada a 18 de novembro. O advogado alega “ataques pessoais”.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O advogado Garcia Pereira anunciou que apresentou a demissão do PCTP/MRPP, depois de ter sido suspenso do Comité Permanente do Comité Central, alegando ataques pessoais, avança a agência Lusa.

Em comunicado o advogado comunicou: “Informo que, embora com uma enorme mágoa, mas também com a firme convicção de que a História não nos deixará de julgar a todos, me vi constrangido, como única alternativa com um mínimo de dignidade, a apresentar, no passado dia 18 de novembro, a minha demissão”, refere em comunicado.

A demissão terá sido apresentada a 18 de novembro.

Na mesma nota, Garcia Pereira justificou a decisão com os “permanentes ataques pessoais e imputações infamantes de toda a ordem, sem qualquer possibilidade de debate”, que estão a ser feitos contra si no jornal do partido na Internet, refere o mesmo documento, citado na imprensa online portuguesa.

No documento, Garcia Pereira sublinha que não vai prestar mais declarações ou informações sobre o assunto.

O PCTP/MRPP anunciou no passado dia 14 de outubro a suspensão de Luís Franco do cargo de secretário-geral do partido, juntamente com quatro elementos do Comité Permanente do Comité Central, por serem considerados os “principais responsáveis” pela derrota nas legislativas.

Nas eleições legislativas de 4 de outubro o partido não alcançou os votos suficientes para eleger deputados.

 OJE

Recomendadas

PSD quer saber por que se mantêm na administração pública regras que vigoravam na pandemia

O PSD questionou hoje o Governo por que se mantém “a exigência de marcação prévia” para atendimento presencial em serviços da administração pública que só tinham justificação legal no período da pandemia, considerando injustificada a continuação destas regras.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Santos Silva nega problema com o Qatar e assegura tranquilidade aos emigrantes (com áudio)

O presidente da Assembleia da República (AR), Augusto Santos Silva, assegurou hoje que não há qualquer problema de relacionamento entre Portugal e o Qatar, e salientou que todos os portugueses residentes naquele país asiático “podem estar tranquilos”.