Pecados mortais para as PME em Portugal: falta de procura ou excesso de stock

AS PME portuguesas identificaram a redução de custos e despesas e a aposta em novos segmentos de clientes, como as principais oportunidades.

Comunique com entusiasmo.

Uma em cada três pequenas e médias empresas portuguesas (PME) considera a falta de procura ou excesso de stock como principal risco para o seu negócio, de acordo com o estudo “Zurich PME: Riscos e Oportunidades” promovido pela Zurich em oito países europeus. Espanha (42%), Suíça (39%) Áustria (38%) e Itália (36%), também enumeraram este risco como principal preocupação.

De acordo com o estudo, o elevado nível de concorrência ou o dumping nos preços com impacto nas margens de venda são a segunda maior preocupação apontada pelos empresários portugueses. Ainda na análise dos riscos, os empresários portugueses estão cada vez mais preocupados com danos na reputação (17%) e, também, com os incêndios (8%).

Relativamente aos riscos que mais cresceram para o negócio das PME ao nível mundial, o estudo aponta o cibercrime na Europa, os danos no transporte nos EUA, o dano na reputação na Ásia-Pacífico e as catástrofes naturais na América Latina.

“Para além de recolher informação, este estudo permite-nos sensibilizar os empresários para a importância da gestão de risco, uma vez que a existência de um planeamento adequado permite identificar os principais riscos e formas de mitigá-los” sublinha Artur Lucas, Diretor de Marketing e Comunicação da Zurich Portugal.

Em relação às oportunidades de negócio, 41,5% das PME portuguesas considera crucial a redução de custos e despesas, o que corresponde a um aumento de 9% nos últimos quatro anos. A aposta em novos segmentos de clientes também foi enumerada como uma importante oportunidade para 36% dos empresários portugueses. Já a necessidade de condições de crédito atrativas aumentou 8% entre as PME nos últimos quatro anos.

Para além destas respostas, 5,5% das PME mostra-se ainda mais pessimista uma vez que não deteta oportunidades a breve prazo. De salientar também que a expansão para mercados estrangeiros desceu de 16% para 11% nos últimos quatro anos. Quando questionados sobre a possibilidade de crescimento do negócio através da aquisição de concorrentes, apenas 5,5% das PME nacionais considera este fator como uma oportunidade.

O estudo “Zurich PME: Riscos e Oportunidades” foi conduzido pela GFK junto de pequenas e médias empresas em oito países (Portugal, Áustria, Alemanha, Irlanda, Itália, Espanha, Suíça e Turquia). Em Portugal foram ouvidas 200 empresas, através da realização de entrevistas telefónicas a CEO, Diretores Gerais, Diretores Financeiros e Diretores de Operações.

Recomendadas

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.
Comentários