Pedida a falência das subsidiárias da Oi na Holanda

Os veículos financeiros são a Oi Brasil Holdings Coöperatief UA e Portugal Telecom International Finance B.V. Os administradores judiciais que coordenam a suspensão de pagamentos de subsidiárias defenderam pedidos de conversão dos processos em procedimentos de falência.

Os administradores judiciais nomeados para supervisionar os procedimentos de “suspension of payments” das subsidiárias da Oi na Holanda pediram hoje, dia 2, a falência das empresas, avança a Pharol em comunicado à CMVM.

Os veículos financeiros são a Oi Brasil Holdings Coöperatief UA e Portugal Telecom International Finance B.V.

Os administradores judiciais que coordenam a suspensão de pagamentos de subsidiárias na Holanda protocolaram pedidos de conversão dos processos em procedimentos de falência.

Segundo a companhia, a Corte Distrital de Amsterdão determinou que a audiência, em relação aos pedidos, aconteça em 12 de janeiro.

A Oi minimiza o impacto da iniciativa sobre a recuperação judicial do grupo: “A Oi reitera que a eventual conversão estaria restrita à jurisdição e lei holandesas e espera que disso não resultem impactos significativos na recuperação judicial – que continua incluindo a Oi Brasil Holdings e a PTIF (…) nem no dia-a-dia da Companhia no Brasil”. “A Oi pretende empreender todos os esforços apropriados para buscar assegurar a proteção dos interesses das Empresas Oi e de todos os seus stakeholders”, diz o comunicado.

Recomendadas

EDP Renováveis vende Companhia Paranaense de Energia por 350 milhões de euros

A venda foi feita por um Enterprise Value (inclui dívida) estimado de 1,80 mil milhões de reais a 31 de dezembro de 2021 (o que equivale a 0,35 mil milhões de euros à taxa cambial de 5,16 euros/um real), e que será ajustado à data de conclusão.

Sindicatos desconvocam greve no Metro de Lisboa marcada para quarta-feira

No entanto, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações entregou um novo pré-aviso de paralisação para 25 de outubro.

Talent Protocol compra empresa canadiana ligada à blockchain

A escolha recaiu sobre a Agora Labs, fundada por um grupo de quatro adolescentes. Matthew Espinoza (agora com 20 anos) e Freeman Zhang (de 19 anos) juntam-se à equipa da startup portuguesa dos ‘tokens’ para profissionais talentosos.
Comentários