Pedidos de asilo: Portugal recebeu mais de 820

A maioria dos mais de 820 pedidos de asilo recebidos Portugal são cidadão ucranianos. Este valor é praticamente o dobro do ano passado, de acordo com a presidente do Conselho Português para os Refugiados (CPR), citado pela agência Lusa.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A maioria dos mais de 820 pedidos de asilo recebidos Portugal são cidadão ucranianos. Este valor é praticamente o dobro do ano passado, de acordo com a presidente do Conselho Português para os Refugiados (CPR), citado pela agência Lusa.

“Neste momento, já registámos até agora mais de 820 pedidos de asilo. Em 2014, durante o ano todo foram 445. O número de pedidos de asilo já vai no dobro e até ao final do mês chegará perto de mil ou 900”, afirmou Teresa Tito de Morais.

Esta tendência de aumento dos pedidos de asilo, que se tem registado ao longo do ano, “não está intimamente ligada com os dramas do Mediterrâneo e com a população síria e do Iraque”, mas principalmente com a guerra na Crimeia, explicou a responsável citada pela mesma fonte.

Segundo os dados do CPR, cerca de metade dos pedidos de asilo são de ucranianos e a maioria “chega a Portugal pelas fronteiras terrestres e não pelos postos de fronteira do aeroporto”.

Esta população, acrescentou a presidente do CPR, vem “com intenção de ficar em Portugal enquanto o medo e a instabilidade se verificar no seu país”.

OJE

Recomendadas

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.