Pedro Calado garante que Frente MarFunchal não vai fechar

O presidente da Câmara do Funchal está a procurar uma solução quer permita viabilizar a empresa municipal, referindo que vai organizar os serviços impondo um regime de igualdade e justiça para todos.

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Pedro Calado, eleito no passado domingo, garantiu que a empresa municipal FrenteMar, que gere os complexos balneares da cidade, “não vai fechar”.

O autarca está a estudar uma solução quer permita viabilizar a empresa municipal, reforçando que o PSD/CDS-PP
“sempre foi contra” a dissolução da empresa, sublinhando que em Assembleia Municipal chumbaram a proposta do executivo liderado por Miguel Gouveia, “como forma de salvaguardar os postos de trabalho e proteger os direitos dos trabalhadores”.

Pedro Calado reforçou que não vai colocar em risco o funcionamento da empresa por pessoas que neste momento estão a receber ordenados e não estão a trabalhar. “O que está bem será mantido, o que está mal será mudado. Vamos organizar os serviços impondo um regime de igualdade e justiça para todos. Temos tudo para prestar um bom serviço à população”, disse o autarca.

“Peço-vos que sejam dignos da camisola que vestem que é da Câmara Municipal do Funchal, que honrem o vosso trabalho e que sejam atenciosos no serviço público que prestam aos utentes. Saibam falar com respeito e cumprimentar os munícipes”, foi o apelo deixado por Pedro Calado aos trabalhadores.

Recomendadas

Funchal abre vagas para formação de canalizadores

As inscrições para o Programa Municipal de Formação em Contexto de Trabalho para Assistentes Operacionais podem ser feitas na Loja do Munícipe.

Fóssil encontrado na Madeira esclarece quando é que as formigas chegaram à ilha

Apesar de serem relativamente comuns no registo fóssil continental, nas ilhas oceânicas os fósseis insetos são extremamente raros, e até agora fósseis de formigas tão antigos eram completamente desconhecidos.

Madeira: Proteção Civil promove campanha de sensibilização para uso consciente do 112

O objetivo da campanha da Proteção Civil da Madeira é “apelar ao uso consciente da linha de emergência, uma vez que, a cada hora que passa, cerca de quatro pessoas na Região Autónoma da Madeira, precisam de ajuda”.
Comentários