Pedro Nuno Santos admite que autorizou indemnização paga a Alexandra Reis

O antigo ministro reconheceu ter encontrado esta quinta-feira, num exercício de “reconstrução da fita do tempo”, uma comunicação com o secretário de Estado Hugo Mendes e a sua chefe de gabinete no qual foi informado que não seria possível reduzir o montante a pagar à administradora da TAP.

Pedro Nuno Santos afinal havia sido informado da indemnização da TAP a Alexandra Reis, fez saber o próprio por comunicado, assumindo que autorizou o pagamento da mesmo. O ex-governante afirma ter encontrado esta quinta-feira uma comunicação da qual não tinha memória e que aborda a compensação a ser paga à então administradora da companhia aérea.

O antigo ministro das Infraestruturas e Habitação, que se demitiu na sequência precisamente do caso da indemnização paga à então recém-nomeada secretária de Estado do Tesouro, Alexandra Reis, aquando da sua saída da TAP, admite que foi num exercício de tentativa de “reconstruir a fita do tempo” que se deparou com uma comunicação informal com a sua chefe de gabinete e o secretário de Estado Hugo Mendes.

Ainda assim, Pedro Nuno Santos garante que “nenhum dos três tinha memória” desta comunicação, tendo reforçado a necessidade de revisitar toda a correspondência com o secretário de Estado depois da audição da diretora executiva da companhia aérea no parlamento.

No mail, os governantes sugerem que não seria possível reduzir mais a indemnização a pagar a Alexandra Reis, pelo que a “anuência política” de Pedro Nuno Santos foi dada, deixando o processo avançar a partir daí. O ministro que se demitiu a 28 de dezembro considera ainda que a sua responsabilidade política foi assumida com a sua saída do Governo, vindo agora, “por uma questão de transparência, […] prestar este esclarecimento público”.

Recomendadas

BE vai centrar “boa parte” da sua atividade no problema transversal da habitação

“Tenho ouvido alguns argumentos sobre a constitucionalidade desta medida que partem de um pressuposto errado que é de que o BE discrimina em função da nacionalidade. Não. O que o BE faz é garantir que quem trabalha em Portugal possa ter acesso à habitação”, explicou.

Catarina Martins contra “Estado pessoa de bem” apenas para a “elite do privilégio”

“Não posso deixar de assinalar a frase muito infeliz do ministro João Galamba ao dizer que, como o Estado é uma pessoa de bem, teria de manter os prémios milionários na TAP”, criticou, em declarações aos jornalistas, Catarina Martins.

Convenção Nacional do BE marcada para 27 e 28 de maio em Lisboa

No rescaldo dos maus resultados eleitorais das últimas legislativas, nas quais o BE deixou de ser a terceira força política, perdeu metade dos votos e ficou reduzido a cinco deputados, a oposição interna chegou a pedir a antecipação da convenção nacional, mas esta vai ter o seu calendário habitual, ou seja, realiza-se com dois anos de intervalo.
Comentários