Pedro Nuno Santos força Miguel Frasquilho a negar aumento na TAP

No entanto, Pedro Nuno Santos concorda com o aumento salarial de Ramiro Cequeira, que vai ganhar o dobro com a promoção de COO a CEO interino.

Cristina Bernardo

O ministro das Infraestruturas obrigou o presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho, a abdicar do aumento salarial de 1.500 euros que já tinha começado a receber, avança esta terça-feira o “Expresso“.

Porém, fonte próxima do governante revelou ao semanário que Pedro Nuno Santos concorda com o aumento salarial de Ramiro Cequeira, que vai ganhar o dobro com a promoção de Chief Operations Officer (COO) a CEO interino, pois o gestor foi ganhar menos do que Antonoaldo Neves.

O jornal online “Eco” noticiou esta segunda-feira os novos salários aprovados pela comissão de vencimentos da TAP, que praticamente duplicou a remuneração mensal do CEO interino da TAP, Ramiro Sequeira, elevando-a aos 35 mil euros brutos por mês, com efeitos retroativos a setembro.

Além disso, também foram aumentados os salários do chairman, Miguel Frasquilho, que faz o upgrade de 12 mil para 13,5 mil euros brutos mensais, e da gestora Alexandra Vieira Reis, que entrou para a comissão executiva e que, por isso, é aumentada de 14 mil para 25 mil euros mensais.

Relacionadas

Rui Rio critica Governo pelo aumento de salário de CEO da TAP

“O que um Governo de esquerda, que se diz sempre preocupado com os mais desfavorecidos, aprova em matéria salarial numa empresa falida que só sabe viver de mão estendida para o contribuinte”, apontou o líder do PSD nas redes sociais.

PSD questiona Governo sobre decisão de aumentar salários dos administradores da TAP

O PSD considera que, perante este cenário, “é deplorável que tal suceda quando se está na iminência de verificar na TAP o maior despedimento coletivo público de que há memória e a impor perdas significativas nos salários dos seus colaboradores.

Sindicatos não entendem silêncio de António Costa e Pedro Nuno Santos sobre os aumentos na administração da TAP

Os aumentos propostos pela Comissão de Vencimentos da TAP – depois da suspensão do Acordo de Empresa, da decisão de redução anual da massa salarial e da resolução de Conselho de Ministros que declara a TAP em situação económica difícil – arrasaram a credibilidade do primeiro ministro António Costa e do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos junto dos trabalhadores da TAP. O Chairman, Miguel Frasquilho, é aumentado para 13,5 mil euros.
TAP Portugal

BE quer saber se Governo deu aval a aumento de salários de três administradores da TAP

Numa questão enviada para o Ministério das Infraestruturas e Habitação, através do parlamento, os bloquistas consideram que “não é compreensível ou aceitável que se estejam a prever cerca de 2.000 despedimentos e reduções salariais de 25% aos trabalhadores e, ao mesmo tempo, se decidam subidas salariais na administração”.
Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários