Pedro Santa Clara leva Escola de programação 42 para o Porto com abertura já em junho

A Critical Techworks e a SaltPay são parceiros fundadores da 42 Porto. As candidaturas já estão abertas e requerem que os candidatos tenham, pelo menos, 18 anos. As propinas são pagas pelos mecenas.

A Escola 42, que em julho de 2020 em plena pandemia, abriu em Lisboa, chega em junho à cidade do Porto, com campus junto à Avenida dos Aliados. O programa é gratuito para quem estuda, sendo as propinas pagas por mecenas.

Qualquer pessoa pode estudar na 42, não sendo requerido qualquer background académico ou experiência em programação. O único requisito é a idade: o candidato tem de ter, pelo menos, 18 anos ou o 12º ano concluído. As candidaturas estão abertas 365 dias por ano.

O primeiro programa arranca em outubro e as piscines, um bootcamp de admissão onde os candidatos passam 26 dias intensivos a aprender as bases de programação e a descobrir se a 42 é a escola certa para eles, acontecem em julho, agosto e setembro. Para este verão, a 42 Porto planeia que 600 candidatos mergulhem nas piscines.

A Escola 42 oferece um método inovador que promove a aprendizagem sem o formato tradicional das salas de aulas, sem horários, sem professores e gamificada. A aprendizagem é feita de forma prática, desenvolvendo projetos entre pares, num modelo que parece um jogo.

Assim, para além das competências técnicas, cada aluno desenvolve a capacidade de comunicação, trabalho em equipa e resolução de problemas, assim como a criatividade, autonomia e resiliência.

O curso demora entre 12 e 18 meses a concluir, assumindo uma dedicação de cerca de 40 horas por semana. Antes de receberem o diploma, os alunos terão ainda que ter uma experiência profissional na área. Com um conhecimento mais profundo do mercado de trabalho, os alunos poderão posteriormente regressar à 42 para complementar o curso com uma especialização à sua escolha, entre cyber security, web development, data analytics, entre muitas outras.

A 42 Porto conta como parceiros fundadores com a Critical Techworks e a SaltPay e tem o apoio de Amorim, BA Glass, Ecosteel, Sodecia, Sogrape, Sonae, Prozis, Vicaima, João Nuno Macedo Silva e Câmara Municipal do Porto.

Pedro Santa Clara, Diretor da 42 em Portugal, explica que a abertura do Campus do Porto é um passo natural no crescimento em Portugal. “Esta nova escola vai aumentar consideravelmente a nossa atuação territorial, permitindo oferecer o programa a todos aqueles que no norte do país queiram desenvolver competências em tecnologia. O nosso objetivo é que mais portugueses tenham acesso ao curso 100% gratuito e assim consigam abrir portas a um futuro com uma altíssima taxa de empregabilidade. A necessidade de profissionais com competências em tecnologia é crescente e cada vez mais transversal a todas as indústrias”.

A 42 Porto irá realizar quatro piscines por ano, três no verão e uma em janeiro, de forma a selecionar cerca de 300 alunos por ano. Só quem terminar esta fase com sucesso pode iniciar o programa.

Desde que chegou a Portugal em julho de 2020, a 42 regista mais de 20 mil candidaturas de todo o país, contando atualmente com cerca de 400 alunos dos 17 aos 57 anos (50% nunca antes havia escrito uma linha de código). O background socioeconómico e profissional dos alunos é extremamente variado, desde personal trainers, motoristas, chefes, canalizadores, pilotos, militares, médicos e engenheiros. Mesmo sem terem ainda completado o curso, cerca de 10% destes alunos já conseguiu emprego enquanto developer.

Em Lisboa, a 42 tem o apoio dos parceiros fundadores Banco Santander, Vanguard Properties, Fidelidade e Reformosa, bem como da Bi4all, Mercedes-benz.io, Observador, Dstgroup, BA glass, Casa Relvas, NTTData, Huawei, KPMG, Axians, Sul Account, The Claude and Sofia Marion Foundation, Família Alves Ribeiro, Rita e Filipe Botton e Fundação José Neves.

A 42 no mundo

Fundada em Paris em 2013, a 42 tem hoje mais de 15 mil alunos em 25 países, sendo reconhecida como uma das melhores escolas de programação do mundo.

O curso da 42 é partilhado nas mais de 40 escolas em todo o mundo. Demora entre 12 e 18 meses a concluir, caso o aluno dedique cerca de 40h semanais ao programa. Depois disso, mergulha na sua primeira experiência profissional ainda antes de receber o diploma.

Posteriormente, os alunos podem começar a especialização, altura em que decide quais as áreas que mais lhe interessam e que quer explorar, como cyber security, data analytics, web development, entre muitas outras. Mais uma vez, e para que depois receba certificado de especialização, terá que fazer uma experiência profissional em que coloque em prática toda a aprendizagem.

A metodologia de aprendizagem assenta numa experiência project based e peer learning, que é muito enriquecida pela experiência física dos alunos no Campus. Complementado com as experiências profissionais exigidas no final de cada etapa, o curso e especialização da 42 preparam os alunos de uma forma prática, promovendo o desenvolvimento das competências do futuro.

Todos os parceiros da 42 têm acesso a uma plataforma onde podem divulgar ofertas de emprego para os alunos de toda a rede 42, e não apenas para os do Campus da sua cidade/país.

Recomendadas

Minsait lança portefólio de banca e seguros no metaverso

“Vai tornar-se um novo canal relevante para as relações diretas com os clientes e, de uma perspetiva de produto, abre-se um novo paradigma no qual os bancos tradicionais podem participar ativamente para satisfazer as exigências que os seus clientes possam ter “, avança a Minsait Portugal.

Hoopers recebe 500 mil euros para escalar comunidade de jogadores e fãs de basquetebol

A startup portuguesa liderada por André Costa fechou recentemente uma ronda de investimento na qual estiveram envolvidas as sociedades de capital de risco Sport Horizon Holding e Portugal Ventures, bem como ‘business angels’.

Mercado português da cibersegurança vale 165 milhões de euros

“Para a maioria das PME portuguesas a principal barreira à implementação de medidas para melhorar os níveis de cibersegurança é o seu custo. Outros impedimentos apontados são a escassa cultura de cibersegurança dos colaboradores”, alerta o CNCS.
Comentários