Pedro Siza Vieira: “Deixar cair a TAP era como deixar desaparecer a Autoeuropa ou pior”

Em debate no Parlamento, Pedro Siza Vieira considerou que a TAP é uma empresa estratégia e “uma das maiores exportadoras nacionais”, que contribui “muito” para o emprego qualificado e é “crítica” para o futuro da economia portuguesa.

António Cotrim/Lusa

O ministro do Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, defendeu esta sexta-feira que “deixar desaparecer a TAP era como deixar desaparecer a Autoeuropa ou pior”. Pedro Siza Vieira considerou que a TAP é uma empresa estratégia e “uma das maiores exportadoras nacionais”, que contribui “muito” para o emprego qualificado e é “crítica” para o futuro da economia portuguesa.

“Deixar desaparecer a TAP era como deixar desaparecer a Autoeuropa ou pior. A TAP faturou o ano passado 3.400 milhões de euros e fez compras a 1.700 empresas portugueses, sem ser combustível. A TAP é uma das maiores exportadoras nacionais e (…) contribui muito para a economia nacional e para o emprego qualificado em toda a cadeia de valor”, referiu Pedro Siza Vieira, num debate sobre política setorial, na Assembleia da República.

O ministro respondia assim a uma questão colocada pelo deputado do CDS-PP João Gonçalves Pereira sobre o plano de reestruturação da TAP, que foi entregue esta quinta-feira em Bruxelas e que prevê uma redução da frota, a saída de trabalhadores e cortes salariais. João Gonçalves Pereira classificou este plano como o “maior despedimento público desde 25 de Abril de 1974” e quis saber qual o impacto da companhia aérea na economia nacional.

Pedro Siza Vieira explicou, apesar de não ter sobre a sua responsabilidade o dossier da TAP, o plano de reestruturação foi apreciado em Conselho de Ministros e “todo o Governo está solidário” com a solução encontrada. “Esse plano de reestruturação foi acompanhado no Governo pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação e pelo ministro das Finanças, mas foi colocado à apreciação do Conselho de Ministros”, explicou.

E acrescentou: “Naquilo que o Conselho de Ministros pôde apreciar, o plano que lhe foi presente e que agora terá de ser discutido pela Comissão Europeia, aborda todas as questões relevantes, desde as estimativas de tráfego até ao custo e capacidade operacional da empresa para permitir ao Governo perceber que o apoio que se possa justificar a uma empresa estratégica não é feito sem assegurar se essa empresa se mantém viável a longo prazo”.

O ministro do Estado e da Economia salientou que, tal como a TAP, também outras companhias aéreas europeias e mundiais apresentaram planos de reestruturação face à crise provocada pela Covid-19.

No caso português, esse plano terá sido apreciado pelo Conselho de Ministros “em duas perspetivas”: a TAP é “uma empresas estratégica para a economia portuguesa” e justifica-se “manter essa companhia ao serviço de Portugal e da economia portuguesa” e há “perspetiva, condições e meios para colocar a TAP num caminho de sustentabilidade económica e de viabilidade a longo prazo”.

“Com o gabinete de estudos e estratégia do Ministério da Economia e uma consultora internacional, estivemos a fazer a avaliação de quais são os setores críticos para o crescimento da economia portuguesa em função do impacto que a pandemia está a ter, porque a desaparecerem, o prejuízo seria muito elevado. Ambas as análises coincidem: o setor do transporte aéreo é dos mais críticos para o futuro da economia portuguesa e a TAP é, provavelmente, das empresas mais importantes para o país”, reiterou.

Relacionadas

Pedro Nuno Santos admite derrota contra Costa sobre o Plano da TAP: “Queria que fosse votado, mas não consegui”

As declarações do ministro responsável pelo dossiê da TAP surgem depois de António Costa ter negado a possibilidade de levar o documento a votação na Assembleia da República. “É pena”, disse Pedro Nuno Santos ao “Expresso”.

PremiumGoverno receia abrir precedente com reformas antecipadas na TAP

A medida está nas mãos do Executivo que ainda não deu ‘luz verde’ devido a custos orçamentais, apontados como ajudas de Estado. E receio de precedente para outras empresas com capitais públicos.

Governo já enviou plano de reestruturação da TAP para Bruxelas

No cenário base enviado à Comissão Europeia prevê-se que em 2021 a TAP venha a necessitar de um apoio de Estado de 970 milhões de euros, informaram os ministérios das Finanças e das Infraestruturas, em comunicado conjunto. Detalhes do plano vão ser explicados em conferência de imprensa esta sexta-feira, às 12 horas.
Recomendadas

OE2023: Conselho de Ministros extraordinário discute documento na terça-feira

O Governo discute em Conselho de Ministros extraordinário na terça-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2023, numa reunião que marca o começo do processo de aprovação do documento, que é entregue ao parlamento na segunda-feira.

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.
Comentários