Pela segunda vez em dois meses, o PAN questiona o Governo sobre o impacto do 5G no ambiente e na saúde

O PAN também quer esclarecer quais os «principais riscos de cibersegurança» que as redes 5G podem provocar, em Portugal.

O Ministério da Saúde, o Ministério do Ambiente e Ação Climática, o Ministério das Infraestruturas e Habitação e a Presidência do Conselho de Ministros estão novamente debaixo de fogo do PAN.

Pela segunda vez no espaço de dois meses, o Pessoas-Animais-Natureza voltou a enviar questões para estes ministérios sobre as preocupações que o impacto da implementação das redes 5G pode ter no ambiente e na saúde.

Esta nova série de perguntas surge na sequência da falta de uma «resposta cabal» às questões enviadas em Abril, pelo partido liderado por André Silva, a dois ministérios.

«O grupo parlamentar entendeu retomar o tema para garantir que, por parte do Governo, de uma forma clara e concreta, sejam identificados e conhecidos os principais riscos ambientais e para a saúde das populações, decorrentes da implementação de uma rede 5G, nas bandas de 700 MHz, de 3,6 GHz e de 26 GHz», justifica o PAN.

A preocupação do Pessoas-Animais-Natureza vai além, contudo, destes dois temas, uma vez que o PAN também quer esclarecer quais os «principais riscos de cibersegurança» que as redes 5G podem ter, em Portugal.

Os documentos, com as perguntas, enviados pelo PAN aos ministérios da Saúde, do Ambiente e Ação Climática, das Infraestruturas e Habitação e à Presidência do Conselho de Ministros podem ser lidos aqui, na íntegra.

PCGuia
Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários