Pelo menos seis civis mortos em ataque contra agência de serviços secretos em Cabul

O atacante, que também morreu, detonou um cinto de explosivos pelas 08:00 locais (03:30 em Lisboa), perto das instalações do Diretório Nacional de Segurança na zona de Shashdarken, disse à Efe o porta-voz Nasrat Rahimi.

Omar Sobhani / Reuters

Pelo menos seis civis morreram num atentado suicida hoje em Cabul, perto de um complexo da principal agência dos serviços secretos afegãos (NDS), informou um porta-voz do Ministério do Interior.

O atacante, que também morreu, detonou um cinto de explosivos pelas 08:00 locais (03:30 em Lisboa), perto das instalações do Diretório Nacional de Segurança na zona de Shashdarken, disse à Efe o porta-voz Nasrat Rahimi.

Este ataque, cometido na altura em que funcionários chegavam ao trabalho, ocorre uma semana depois de outro ataque contra um centro de treino do NDS na capital afegã.

Najib Danish, também porta-voz do Ministério do Interior, disse à AFP que seis civis que estavam num carro morreram na explosão.

“Seis pessoas morreram e outras três ficaram feridas”, disse.

Segundo um jornalista da AFP no local, o ataque foi registado perto da entrada principal de um complexo do NDS. As forças de segurança bloquearam a rua principal que dá acesso ao edifício.

O ataque não foi reivindicado no imediato, disse Rahimi.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários