Penhora no horizonte dos ex-dirigentes da Caja Madrid

Os ex-presidentes da Caja Madrid Miguel Blesa e Rodrigo Rato poderão ter bens penhorados caso não consigam depositar fianças de 16 milhões e três milhões de euros, respetivamente, impostas por um tribunal espanhol. Blesa e Rato foram ouvidos na semana passada como arguidos pelo juiz Fernando Andreu, que está a investigar o processo sobre gastos […]

Os ex-presidentes da Caja Madrid Miguel Blesa e Rodrigo Rato poderão ter bens penhorados caso não consigam depositar fianças de 16 milhões e três milhões de euros, respetivamente, impostas por um tribunal espanhol.

Blesa e Rato foram ouvidos na semana passada como arguidos pelo juiz Fernando Andreu, que está a investigar o processo sobre gastos não declarados em cartões de crédito utilizados por 86 dirigentes da entidade.

Os dois estão a estudar recursos, tendo Blesa visto já rejeitada pelo tribunal uma tentativa de que a sua fiança fosse paga pela seguradora Mapfre, que era, na altura da sua presidência, a seguradora da Caja Madrid.

Andreu considerou que ambos consentiram e propiciaram o uso indevido de fundos da entidade através de um sistema de cartões de crédito cujos gastos se contabilizaram de forma encoberta para evitar controlos fiscais.

No auto sobre o caso, considerou haver indícios suficientes de que ambos cometerem delitos de administração danosa.

O juiz – que ouviu queixas da procuradoria anticorrupção e do Fundo de Reestruturação Ordenada Bancária (FROB) – os dois arguidos “autorizaram e consentiram” a entrega e uso dos cartões aos conselheiros e direitos da Caja Madrid bem como os gastos totais realizados, de 15,25 milhões de euros.

Blesa, presidente da Caja Madrid de 1996 a 2009, e o ex-ministro espanhol da Economia Rodrigo Rato, terão que apresentar fianças de 16 milhões e três milhões de euros, respetivamente, por estes gastos.

Os dois têm até à próxima quarta-feira para evitar a penhora, caso paguem as fianças, que englobam uma garantia para cobrir eventuais responsabilidades civis e multas que possam vir a ser-lhes aplicadas, se forem considerados culpados por terem autorizado os gastos de 15,25 milhões de euros, entre 1999 e 2012, enquanto presidiam à Caja Madrid.

Segundo a acusação, beneficiaram dos cartões 86 ex-responsáveis da entidade bancária, incluindo 28 conselheiros nomeados pelo PP, 15 pelo PSOE, quatro pela IU, 10 pelos sindicatos e outros tantos pelas organizações patronais.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.