Pequim “lutará até ao fim” contra a independência de Taiwan

A declaração soa como uma resposta ao que, no dia anterior, o secretário da Defesa norte-americano, Lloyd Austin, afirmou quando denunciou a atividade militar “provocadora e desestabilizadora” de Pequim perto de Taiwan.

A China “lutará até ao fim” para impedir que Taiwan declare a independência, garantiu este domingo ministro da Defesa da China, à medida que crescem as tensões entre Pequim e Washington sobre o destino da ilha.

A declaração soa como uma resposta ao que, no dia anterior, o secretário da Defesa norte-americano, Lloyd Austin, afirmou quando denunciou a atividade militar “provocadora e desestabilizadora” de Pequim perto de Taiwan.

A disputa verbal entre as duas superpotências ocorre num contexto de fortes tensões diplomáticas sobre a ilha autónoma e democrática, que Pequim considera parte integrante do seu território.

As incursões sem precedentes de aviões militares chineses na zona de defesa aérea de Taiwan fizeram subir a tensão nos últimos meses.

“Lutaremos a todo custo e lutaremos até ao fim. Esta é a única opção para a China”, disse Wei Fenghe em tom ofensivo durante o fórum de segurança Diálogo Shangri-La.

“Os buscam a independência de Taiwan com o objetivo de dividir a China certamente não alcançarão seus objetivos”, disse o governante chinês, que acrescentou: “Ninguém deve subestimar a determinação e a capacidade das Forças Armadas da China de salvaguardar sua integridade territorial”.

Wei exortou Washington a “parar de denegrir e restringir a China, a deixar de interferir nos assuntos internos da China e de prejudicar os interesses da China”.

Mas Wei Fenghe também foi conciliador nas suas declarações, ao pedir uma relação “estável” entre a China e os EUA, que considerou ser “vital para a paz mundial”.

Durante o seu discurso no mesmo fórum, Austin denunciou no sábado a atividade militar “provocadora e desestabilizadora” da China perto de Taiwan, um dia após um aviso firme de Pequim.

“Estamos a ver uma coerção crescente de Pequim. Temos visto um aumento contínuo na atividade militar provocadora e desestabilizadora perto de Taiwan”, disse o chefe do Pentágono.

Austin também enfatizou a importância de manter “linhas abertas de comunicação com as autoridades de defesa da China” para evitar erros de cálculo.

Os dois governantes tiveram ma sexta-feira a primeira conversa presencial à margem do fórum de Singapura.

A China considera Taiwan, uma ilha com 24 milhões de habitantes como uma das suas províncias históricas que pretende retomar à força, se necessário.

Segundo um porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Wei Fenghe disse na sexta-feira durante o encontro com Lloyd Austin que “se alguém ousasse separar Taiwan da China, o exército chinês não hesitaria um momento em iniciar uma guerra, custe o que custar”.

Pequim “esmagaria” qualquer tentativa de independência, alertou o Ministério da Defesa chinês.

Pelo seu lado, Austin disse a Wei que Pequim deveria “abster-se” de qualquer ação desestabilizadora na região, segundo o Pentágono.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários