Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.

As perdas de 181 milhões de euros geradas pela Promovalor, empresa de Luís Filipe Vieira, foram pagas pelos contribuintes. Segundo informa o “Correio da Manhã” este domingo, 9 de maio, as despesas do grupo económico do presidente do Sport Lisboa e Benfica, são as segundas mais elevadas na lista dos 20 maiores devedores do Novo Banco (NB).

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB, através do ACC.

Segundo o ACC, o Novo Banco incluiu as perdas do grupo económico de Luís Filipe Vieira em duas alturas distintas: 139 milhões de euros, entre 1 de julho de 2016 e 31 de dezembro de 2017, e 42 milhões de euros, entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2018.

De recordar que Luís Filipe Vieira será ouvido na segunda-feira, 10 de maio, na comissão parlamentar de inquérito ao Novo Banco.

Recomendadas

“Trading” de obrigações e ações trama contas do Citigroup e do JP Morgan

O Citigroup, o JP Morgan e o Wells Fargo apresentaram hoje os seus resultados do quarto trimestre de 2021. No dia 19 é a vez do Goldman Sachs.

CMVM alerta para atraso no reconhecimento de perdas na banca

Melhoria da rentabilidade na banca europeia vai depender da retoma económica, mas também da qualidade dos ativos. Ainda não há sinais de deterioração, mas a CMVM alerta que isto pode refletir um “atraso no reconhecimento de perdas” e os efeitos das medidas adotadas durante a pandemia.

Sindicato dos Trabalhadores da CGD prolonga greve a trabalho extraordinário

O Sindicato de Trabalhadores das Empresas do Grupo Caixa Geral de Depósitos prolongou a greve às horas extraordinárias até 18 de fevereiro, pelo pagamento de todo o trabalho suplementar e por relógio de ponto eletrónico nas agências
Comentários