PremiumPerguntas sem respostas no sector ferroviário

Pedro Nuno Santos evitou esclarecimentos sobre o PRR, uma eventual cisão da IP, uma integração da IP ferroviária na CP e a concorrência no transporte de mercadorias.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação acedeu conceder a entrevista ao Jornal Económico se abordasse exclusivamente temas do sector ferroviário, como se sabe, uma das predileções de Pedro Nuno Santos. Desta forma, foi impossível obter esclarecimentos sobre os escaldantes processos em torno da TAP e da Groundforce, por exemplo. Mas também no sector ferroviário houve questões colocadas pelo Jornal Económico a que o ministro das Finanças se escusou a responder.

Uma das perguntas que ficou sem resposta foi saber de que forma o PRR – Plano de Recuperação e Resiliência vai ser aplicado no projeto nacional de recuperação e rejuvenescimento do sector ferroviário nacional. O mesmo silêncio em relação aos valores de investimento projetados para este sector no âmbito do PRR. Pedro Nuno Santos também evitou a questão sobre se está em cima da mesa algum projeto para voltar a cindir a IP, separando a gestão do sector ferroviário da do sector rodoviário, como ocorria antes com a operação separada das empresas Refer e Estradas de Portugal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Mobilidade Sustentável: conheça a aposta da Schindler

Com a missão de ser cada vez mais sustentável, a Schindler estabeleceu para o ano de 2030 uma redução de 50% nas emissões de gases com efeito de estufa das suas atividades, com base nos dados de 2020.

Receitas das estações de serviço na Ibéria cresceram 29% em 2021 devido à subida dos preços

De acordo com a análise que a Informa D&B realizou a este setor, em 2021 o mercado ibérico registou um aumento significativo de 10,6% face a 2020 no volume das vendas de gasolina e gasóleo, que corresponde a 38,30 milhões de toneladas de combustível.

Dona da Betano celebra primeiro ano da TechHub de Lisboa com reforço das equipas

O Tech Hub da Kaizen Gaming em Lisboa já emprega trinta pessoas e o objetivo passa por continuar a crescer no mercado português. Nesse sentido, serão abertas vagas para diversas funções.
Comentários