PremiumPersonalidade do ano: Mário Centeno

Os leitores do Jornal Económico votaram e escolheram o ministro das Finanças a personalidade do ano que agora termina. Mário Centeno, o “Ronaldo das Finanças”, chegou à presidência do Eurogrupo no início de 2018.

Apresentado pela imprensa internacional desta forma elogiosa, ele é o primeiro presidente deste órgão com origem num país do sul da Europa e, em particular, de um país alvo de uma operação de resgate financeiro. Ao longo deste tempo, o ministro das Finanças português, adotou sempre um discurso positivo. “Depois de ter estado focado, durante muitos anos, na gestão de crises, o Eurogrupo pode finalmente virar todas as suas atenções para o processo de completar a arquitetura da UEM [União Económica e Monetária]”.

Se a logística diária de Centeno é exigente, a tarefa política não é menos árdua. Conseguir consensos numa Europa ainda a sentir os efeitos da crise e dos polémicos programas de ajustamento não se adivinhava fácil. O ministro assumiu que ambicionava conciliar os objetivos de consolidação orçamental com um crescimento inclusivo e a criação de emprego. “As nossas regras orçamentais não são um fim em si mesmas, visam criar as condições para um crescimento económico sustentável e facilitar o funcionamento da União Económica e Monetária”, disse no mês passado. Aliás, um ano depois de ter sido eleito como presidente do Eurogrupo, Mário Centeno alcançou um acordo que permite avançar com a reforma da zona euro. No entanto, nem tudo foi perfeito.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários